10 razões pelas quais as pessoas continuam a usar drogas

A irracionalidade da tomada de decisão no vício

Photographee[dot]eu/Shutterstock

Fonte: Photographee [dot] eu / Shutterstock

Uma característica fundamental da dependência de drogas é que o indivíduo que sofre com isso continua a usar, apesar das consequências prejudiciais. Perspectiva econômica comportamental vê o vício como consequência de ser vítima de falhas de decisão que levam a uma preferência pelo comportamento aditivo (Bickel et al., 2014). A seguir, são apresentadas 10 maneiras pelas quais as escolhas de consumo aditivo podem ser prejudicadas patologicamente. Esses processos disfuncionais de tomada de decisão também predizem se os indivíduos mantêm a capacidade de melhorar suas escolhas (Heyman, 2009).

1. Vulnerabilidade genética

Por que apenas certos indivíduos se tornam e permanecem dependentes? Há evidências substanciais de uma predisposição genética para desenvolver dependência (Kreek et al., 2005). Por exemplo, estudos de gêmeos e crianças adotadas sugerem que cerca de metade da vulnerabilidade de uma pessoa a problemas com álcool é herdada. Também é possível que o consumo excessivo de álcool cause grandes mudanças no cérebro.

2. automedicação.

Quando o sofrimento emocional é causado pelas condições intoleráveis ​​da vida (tragédia), um rápido “conserto” oferece satisfação imediata e evita a miséria (Khantzian, 2012). Por exemplo, o álcool pode nos fazer relaxar e esquecer nossas preocupações. Infelizmente, com o tempo, o cérebro de um bebedor pesado se ajusta ao consumo contínuo, resultando em ansiedade e irritabilidade. E em vez de beber para se sentir bem, a pessoa acaba bebendo para se sentir normal.

3. Falta de recompensas alternativas.

A falta de recompensas alternativas e não medicamentosas explica em parte a demanda pelo consumo de drogas. O professor Hart (2013) observa que, se você está morando em um bairro pobre, privado de opções, há uma certa racionalidade em continuar tomando uma droga que lhe dará algum prazer temporário. Existe agora uma extensa pesquisa mostrando que fornecer recompensas alternativas para aqueles que antes não tinham esses resultados pode melhorar os resultados do tratamento da dependência. Ou seja, as condições ambientais podem desempenhar um papel importante no tratamento da dependência de drogas e na prevenção de recaídas.

4. Insight prejudicado.

O abuso crônico de drogas está associado à autopercepção prejudicada (disfunção do córtex insular), que se manifesta como uma negação da gravidade do vício e da necessidade de tratamento (Naqvi et al., 2007). Por exemplo, apenas uma pequena fração de bebedores pesados ​​admitem ter um problema com a bebida. Esta é uma razão pela qual algumas pessoas continuam bebendo mesmo depois de perceberem que está destruindo suas vidas. A atenção plena é uma abordagem importante demonstrada para melhorar a conscientização e o controle inibitório (Paulus e Stewart 2014).

5. Uma relação de amor e ódio com a droga.

O uso crônico de drogas pode levar a uma separação entre o valor previsto da recompensa da droga e seu real prazer (Kringelbach e Berridge, 2009). Para os adictos, o desejo intenso ou o desejo por substâncias que causam dependência não são necessariamente acompanhados por um gozo de seu consumo. Ou seja, mesmo depois que a droga não traz mais prazer, um viciado ainda pode sentir um forte desejo de usar. Eles estão almejando a droga mesmo quando a droga não é mais prazerosa.

6. Atração mortal

O viés de atenção para estímulos relacionados à substância é a tendência de perceber prontamente e assistir a estímulos no ambiente que estão relacionados ao uso de substâncias da pessoa. Estudos concluíram que o viés atencional relacionado à droga prediz recaída pós-tratamento entre usuários de drogas (Field et al., 2009). No entanto, existem maneiras de reduzir seus efeitos, o mais simples dos quais é evitar situações e estímulos relacionados ao uso da substância.

7. Caindo do vagão.

O psicólogo de vício tardio Marlatt (2005) cunhou o termo efeito de violação da abstinência (AVE) para se referir a situações em que os dependentes respondem a uma indulgência inicial consumindo ainda mais da substância proibida. E eles se sentem totalmente derrotados. Por exemplo, “apenas um cigarro” se transforma rapidamente em meio maço; tem “apenas uma bebida”, e antes que você perceba, a garrafa inteira sumiu. O viés ocorre quando um indivíduo vê sua recaída como um desvio de seu compromisso com a abstinência absoluta.

8. Supervalorização da recompensa imediata.

Impulsividade é a inclinação para buscar gratificação imediata ao custo de ganhos de longo prazo. Para um adicto, a decisão de continuar a usar pode refletir o sistema impulsivo que domina o processo deliberativo. Assim, eventos que são mais imediatos no tempo (como ter a droga agora em oposição às conseqüências atrasadas) têm uma capacidade mais forte de influenciar a tomada de decisão. Além disso, a pesquisa sugere que o abuso de álcool e outras drogas pode prejudicar a mente reflexiva, que é responsável por uma ampla gama de controle, incluindo inibição, atenção sustentada e planejamento (Volkow e Baler, 2014).

9. Estresse.

Há evidências sólidas sobre a ligação entre o estresse crônico e a motivação para abusar de substâncias que causam dependência (Al’Absi, 2007). Por exemplo, pesquisas em estudos em humanos mostram que experiências adversas na infância, como abuso físico e sexual, negligência, violência doméstica e disfunção familiar, estão associadas a um aumento do risco de dependência. O alto estresse emocional está associado à perda de controle dos impulsos e à incapacidade de retardar a gratificação. Além disso, a pobreza ou a escassez de recursos é de natureza estressante e pode levar a sofrimento emocional e subseqüente uso de drogas.

10. Viés de projeção.

Esse viés descreve a tendência dos indivíduos quando “frios” (ou seja, não desejam) interpretarem erroneamente como se comportarão quando “quentes” (isto é, desejo). O comportamento decorre em parte porque as pessoas não conseguem se lembrar da intensidade de seus próprios desejos passados. O fracasso em recordar vividamente ou antecipar o desconforto do desejo pode explicar por que as pessoas superestimam suas próprias habilidades para resistir ao desejo. O desafio para um ex-adicto é manter as memórias “vivas” do desagrado e do poder do desejo.

Em resumo: A dependência de drogas está associada à tomada de decisão alterada que parece supervalorizar o prazer, subestimar o risco e não aprender com os erros repetidos. Assim, o vício pode ser melhor visto como uma doença crônica, como doença cardíaca ou diabetes, e não uma falha moral, de modo que a maioria dos dependentes necessitará de tratamento a longo prazo, e pode ocorrer recaída algumas vezes durante o tratamento. Portanto, a recaída ocasional é apenas um revés previsível, não uma falha do tratamento.

Referências

Al’Absi Mustafa (2007). Estresse e vício: mecanismos biológicos e psicológicos (2007) Imprensa acadêmica.

Bickel, WK, Johnson, MW, Koffarnus, MN, MacKillop, J. e Murphy, JG (2014). A economia comportamental dos transtornos por uso de substâncias: Patologias de reforço e seu reparo. Annual Review of Clinical Psychology, 10, 641-677.

Campo M., Munafò MR, Franken IHA (2009). Uma investigação meta-analítica da relação entre viés atencional e desejo subjetivo no abuso de substâncias. Psychol. Touro. 135 589-607.

Hart, Carl (2013) Preço alto: A jornada de autodescoberta de um neurocientista que desafia tudo o que você sabe sobre as drogas e a sociedade Harper.

Heyman GM (2009) Addiction: Uma desordem de escolha. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Khantzian, EJ (2012). Reflexões sobre o tratamento de transtornos aditivos: uma perspectiva psicodinâmica. The American Journal of Addictions, 21, 274-279.

Kreek et al. (2005), Influências na impulsividade, tomada de risco, responsividade ao estresse e vulnerabilidade ao abuso e dependência de drogas Nat. Neurosci., 8 (11): 1450-1457.

Kringelbach ML, Berridge KC (2009). Para uma neuroanatomia funcional de prazer e felicidade. Trends Cog Sci. 13: 479-487.

Marlatt GA, Witkiewitz K. In: Prevenção de recaída para problemas com álcool e drogas. 2. Marlatt G Alan, Donovan Dennis M, editor. Prevenção de recaída: Estratégias de manutenção no tratamento de comportamentos aditivos; 2005. pp. 1-44. 2005.

Naqvi, Nasir H., David Rudrauf, Hanna Damasio e Antoine Bechara (2007). Danos à Insula perturba o vício do cigarro. Ciência 315: 531-534

Paulus MP, Stewart JL. (2013). Interocepção e toxicodependência. Neurofarmacologia . 2014 Jan; 76 Pt B: 342-50.

Volkow, ND, Baler, RD (2014), ciência Addiction: Descobrindo a complexidade neurobiológica, Neuropharmacology, 76, 235-249.

  • Com fio para conectar: ​​Nossos avisos de sistema nervoso prejudicam primeiro
  • Preparando para o abuso doméstico: do romance ao isolamento
  • CTE: Síndrome Misteriosa ou Lesão Cerebral Não Tratada?
  • O que é estresse traumático de qualquer maneira?
  • Abuso Doméstico
  • Crie uma Prática de Auto-Encorajamento para 2019
  • Vendo Verde? Uso de Cannabis Associado à Violência Doméstica
  • O dinheiro vai fazer você feliz?
  • Controlar Lutas nos Relacionamentos
  • Quando os homens se afastam das mulheres mentoras
  • Abuso Doméstico Ligado à Crise Financeira
  • Grandes Estudos de Caso Aditivos: A História de Bess Meyerson
  • Raiva na Era do Direito
  • Quer introduzir um casamento Parenting ao seu esposo?
  • Seus filhos vão crescer para respeitar as mulheres?
  • Relacionamentos sob estresse
  • Ensinar crianças da Nova Zelândia a matar animais é muito preocupante
  • Requerentes de asilo e saúde mental
  • Trauma e PTSD: mais comum do que você pensa
  • Abuso Doméstico
  • Um atacante, muitos criminosos: quando a revelação também dói
  • Quatro “What If's” de relatórios de abuso infantil
  • 9 sinais de que um relacionamento não pode ser salvo
  • O que sabemos (e não sabemos) sobre os psicopatas femininos
  • Falando sobre a fertilidade
  • O impacto a longo prazo do abuso infantil
  • O que sabemos (e não sabemos) sobre os psicopatas femininos
  • Um atacante, muitos criminosos: quando a revelação também dói
  • Preocupado que um amigo ou amado é um alcoólatra?
  • Comunicação familiar disfuncional: Tangentes
  • Infratores femininos violentos
  • O que devo levar para a primeira consulta do meu filho?
  • Vendo Verde? Uso de Cannabis Associado à Violência Doméstica
  • Armas ou não armas para aqueles com doença mental?
  • Quando é seguro contar uma história?
  • Dominação Trump e Gênero