A arte de amar no século 21

Ver o amor como uma arte pode não ser uma perspectiva popular.

Nos meus posts anteriores, discuti alguns dos fundamentos do processo de amar. Um desafio comum é que podemos perceber o amor como uma força mágica que nos arrebata e simplesmente aproveitamos o passeio. Tal visão é particularmente propagada pela indústria de entretenimento ocidental porque se refere ao nosso desejo amplamente compartilhado de experimentar felicidade instantânea e grátis. Quando nos “apaixonamos”, as coisas realmente parecem mágicas e temos toda a emoção que ansiamos. O problema é que essa fase passiva de paixão não dura e, eventualmente, precisamos nos engajar mais ativamente se quisermos que o amor persista.

Armin Zadeh

Fonte: Armin Zadeh

Erich Fromm chamou a Arte de Amar porque o amor duradouro requer habilidades e devoção ao mestre – assim como qualquer arte. Fromm não sabia que os avanços nas neurociências e na psicologia acabariam por provar que ele estava certo. A arte de amar consiste em ganhar consciência dos muitos interesses concorrentes que afetam nossa mente a qualquer momento de nossas vidas e de priorizar nossos impulsos amorosos sobre impulsos egoístas. Ambas as habilidades são extremamente desafiadoras, o que explica por que muito poucos se tornam mestres na arte de amar, enquanto a maioria de nós frequentemente falha. Alguns têm a sorte de ter internalizado muitos dos padrões mentais necessários para lidar com os impulsos competitivos e voltados para o self na infância – seu impulso amoroso substitui principalmente outros impulsos sem que eles realizem. A maioria de nós, no entanto, adotou hábitos de permitir que impulsos egocêntricos prevaleçam em muitos contextos e a mudança desses padrões requer um esforço considerável.

Os desafios de manter nosso foco no amor na prática diária podem ser ilustrados pelo exemplo de uma pessoa que está em um relacionamento comprometido, mas recebe avanços para se envolver em atividades sexuais com outra pessoa. A pessoa percebe o entusiasmo sobre essa possibilidade, apesar do forte afeto por seu parceiro comprometido. Nessa situação, o amor por seu parceiro é inicialmente suprimido pelo impulso da atividade sexual com outro parceiro – outro impulso evolutivo forte. Somente quando a pessoa rejeita o impulso de se engajar em atividades sexuais fora de sua parceria e reenfatiza a atenção em seu parceiro, ela sente um retorno imediato de seus sentimentos amorosos por ela, junto com uma sensação de contentamento.

O ponto do exemplo é que precisamos impedir os impulsos egocêntricos de orientar nossos pensamentos e ações se quisermos que o amor persista. Este caso é um exemplo muito óbvio de um impulso em conflito com o amor, mas na vida diária, encontramos conflitos constantes em uma escala menor que ainda podem afetar profundamente nosso foco no amor e nos relacionamentos. A maioria desses conflitos resulta de impulsos poderosos direcionados à nossa gratificação de curto prazo. A consciência desses processos nos ajuda a tomar as decisões certas para nossas vidas e relacionamentos.

Os princípios do amor no sentido geral, por exemplo, entre amigos, e amor romântico são os mesmos. Com o amor romântico, no entanto, a dinâmica é intensificada e, além do amor e do apego, tipicamente também lidamos com paixão e atração sexual. Como cada um desses fatores pode variar de força ao longo do tempo, fica claro que os relacionamentos românticos trazem seus próprios desafios.

Armin Zadeh

Fonte: Armin Zadeh

Em última análise, nossa capacidade de navegar com sucesso nos relacionamentos se resume à nossa percepção de nós mesmos e a avaliar cuidadosamente nossas prioridades. Indivíduos que são bem equilibrados em sua avaliação de suas necessidades pessoais acham mais fácil ser amoroso do que aqueles que são movidos por desejos e anseiam por afirmação externa. O problema é que alcançar um estado de auto-anulação é tipicamente difícil e pode exigir um processo contínuo de redirecionamento de nós mesmos. A história nos ensinou, no entanto, que fortalecer nosso senso de humildade está invariavelmente associado a maiores níveis de felicidade e amabilidade em nosso ambiente.

Ver o amor como uma arte que requer habilidades e devoção pode não ser uma posição popular. Ver o amor como força mágica é muito mais atraente – é fácil. No entanto, aqueles que dependem exclusivamente da magia do amor podem se encontrar repetindo um ciclo de relacionamentos em série sem uma felicidade de longo prazo. Em última análise, cabe a nós determinar quanto amor experimentamos. Embora adquirir e manter um amor duradouro em nossas vidas exija esforço de nossa parte, ele também é fortalecedor. A chave para o amor e a felicidade não está em algum lugar no ar, mas em nossas mentes.

Referências

Zadeh A. A Arte Esquecida do Amor. 2017. Nova Biblioteca Mundial.

Related of "A arte de amar no século 21"