A Psicologia dos Delírios

Uma ilusão é uma crença fixa, relativamente imutável, persistente e falsa sem base na realidade.

Piotr Marcinski/Shutterstock
Fonte: Piotr Marcinski / Shutterstock

Falamos frequentemente sobre pessoas "iludidas": "A pessoa no show de talentos está claramente enganada com a falta de habilidade de canto." "Esse político tem delírios de grandeza". "Ela está enganada se espera ser promovida." "Você tem para ser enganado para acreditar em algo que os vendedores dizem. "

Uma ilusão é uma crença realizada por um indivíduo ou grupo que é manifestamente falso, manifestamente falso, impossível, fantasioso ou auto-enganador. Uma pessoa com delírios, no entanto, muitas vezes tem certeza e convicção completa sobre suas crenças delusórias. Eles resistem a argumentos e provas de que eles estão errados.

As pessoas têm ilusões sobre o cheiro (olfativo), gosto (gostotivo), temperatura (termoceptivo) e toque (tátil). Eles podem experimentar cheiros altamente desagradáveis ​​ou muito agradáveis ​​ou incomuns quando se encontram com uma pessoa em particular. Eles podem encontrar alimentos comuns (laranjas, chocolate, leite) têm gostos diferentes dos outros. Eles podem encontrar objetos legais que queimam objetos quentes ou quentes congelados; Objetos tradicionalmente lisos (como um balão ou pele de gato) podem parecer ásperos ou irregulares.

O mais escrito sobre todos os delírios, a paranóia, mostrou que segue vários estágios: desconfiança geral; percepção seletiva dos outros; hostilidade; "iluminação" paranóica em que todas as coisas se encaixam; e, finalmente, delírios paradoxais de influência e perseguição. Os delírios muitas vezes preocupam as pessoas e causam grande sofrimento porque não duvidam de que suas crenças estão corretas.

Os delírios diferem das ilusões . Temos ilusões visionárias e auditivas; por exemplo, que o sol rodeia a terra ou os manequins dos ventriloquistas realmente falam. Temos memórias seletivas / ilusões de infâncias felizes. Estas são coisas que parecem verdadeiras aos sentidos ou memória, mas são conhecidas como falsas ou não têm base na realidade.

Existem algumas advertências: alguns delírios religiosos são impossíveis de verificar e, portanto, falsificam. Outros delírios têm uma profecia auto-realizável, como uma pessoa ciumenta acusando e atacando um parceiro inocente, que então os deixa para outro. Nesse sentido, essas pessoas fazem com que seus delírios se tornem realidade.

    Novelistas e dramaturgos muitas vezes têm personagens interessantes com delírios. Comumente retratados são delírios que uma pessoa está controlando totalmente o comportamento de alguém ou que cometeu um crime ou pecado hediondo ou terrível que merece uma punição severa. Há personagens que acreditam que os outros são leitores mentais, ou os eventos, objetos ou observações triviais e insignificantes de outros têm significado ou significado pessoal. Delírios religiosos também foram bem conhecidos ao longo dos séculos.

    Psiquiatria e transtorno delirante

    Os psiquiatras podem diagnosticar alguém como tendo uma desordem de delírio sob uma série de situações muito específicas:

    1. Uma pessoa deve manifestar um ou mais delírios não bizarros por pelo menos um mês.
    2. A pessoa não encontrou outros critérios comportamentais para ser classificada como alguém com esquizofrenia.
    3. As alucinações auditivas e visuais não são prominentes, embora as alucinações táteis e olfativas possam ser.
    4. Apesar dos delírios da pessoa ou suas conseqüências comportamentais, seu funcionamento psicossocial não é essencialmente prejudicado o suficiente para ser considerado particularmente estranho ou estranho.
    5. Se os delírios específicos influenciarem o humor de uma pessoa, essas flutuações não durarão muito tempo.
    6. O distúrbio não é o resultado de condições fisiológicas ou médicas, como a medicação que uma pessoa está tomando.

    Às vezes, os psiquiatras dizem que é difícil distinguir de outros distúrbios como a hipocondria (particularmente entre aqueles com pouca autoconsciência); distúrbio dismórfico do corpo (preocupação com defeitos corporais imaginados); Transtorno Obsessivo Compulsivo e Paranóide da Personalidade.

    Os delírios de pessoas com esquizofrenia são muitas vezes claramente estranhos, absolutamente impossíveis de pensar, não são compreensíveis; pode-se acreditar que o cérebro tenha sido substituído por aquele de outra pessoa ou que alguém tenha encolhido para ter três pés de altura. Por outro lado, delírios não bizarros poderiam ser possíveis. Por exemplo, as pessoas podem sentir que estão sendo seguidas, fotografadas ou gravadas, que alguém está a envenená-las lentamente, que seu parceiro está sempre traindo nelas, ou que seu chefe ou vizinho está apaixonado por elas.

    Alguns delírios fazem com que as pessoas façam mudanças dramáticas em sua vida: deixe seu emprego ou parceiro, se mude de sua casa (ou mesmo saia do país), ou se veste de forma muito diferente. A pessoa com transtorno delirante, no entanto, parece normal quando suas idéias delirantes não estão sendo discutidas.

    As pessoas com delírios podem se tornar muito temperamentais, muitas vezes causando seus relacionamentos e trabalho para sofrer. Curiosamente, algumas culturas e grupos têm crenças particulares que, em outras culturas, podem ser vistas como clinicamente delirantes.

    É uma doença relativamente rara geralmente ocorrendo mais tarde na vida, particularmente entre pessoas com parentes que possuem outros distúrbios. A maioria parece argumentativa e hipersensibilidade. Muitos não procuram tratamento e se tornam, ao longo dos anos, cada vez mais isolados.

    Tipos de Delusion

    Os psiquiatras notaram cinco tipos claros de delírios:

    1. Erotomanic. Esses indivíduos acreditam que alguém está seriamente apaixonado por eles, mais no romance de Hollywood, mesmo no caminho espiritual, e não no sentido sexual. Muitas vezes é uma pessoa famosa – uma estrela de cinema ou atleta famoso -, mas também podem ser superiores poderosos no trabalho. Enquanto alguém com essa ilusão pode mantê-lo em segredo e fazer muito pouco, outros podem gastar uma grande quantidade de energia tentando contatar seu amante delirante através de e-mails, visitas ou perseguições. A maioria são mulheres, mas os homens com delírios tendem a atuar com mais ousadia e se meter em problemas com a lei, especialmente se eles acreditam que seu "amante" está em apuros ou perigo iminente.
    2. Grandioso. Algumas vezes são chamados de delírios de grandeza e manifestam quando uma pessoa acredita (sem evidência) que eles são especiais: eles têm habilidades surpreendentes ou fizeram uma descoberta de vital importância. Muitas vezes, os delírios são religiosos para aqueles com a desordem, muitas vezes acreditando que eles têm um relacionamento único e privilegiado com o "Todo-Poderoso". Às vezes eles sentem que são uma pessoa proeminente e têm relações especiais com outras pessoas proeminentes.
    3. Com ciumes. Isso se manifesta claramente na convicção forte, mas infundada, de que um parceiro é infiel e enganando-os. São apresentados fragmentos de "evidências" para essas reivindicações. Eles podem contratar um detetive particular, tentar prender seu parceiro, bem como atacá-los fisicamente e verbalmente.
    4. Perspectiva. Esta é a crença de que alguém ou algum grupo estão conspirando contra eles. Podem trapacear, espionar, assediar ou fofocar sobre eles, ou mesmo tentar envenenar ou drogar. Muitas vezes, estão irritados e ressentidos com sentimentos profundos de injustiça. Muitos tentam reprimir a perseguição por meios legais ou apelar para as autoridades. É o tipo mais comum de todos os distúrbios delíquenos. Alguns até se tornam violentos e agressivos com aqueles que acreditam que estão deliberadamente visando eles.
    5. Somático. Esta é a ilusão de que o corpo de alguém é de alguma forma estranho ou não está funcionando corretamente. Pode ser a crença de que um cheira estranho, ou aquelas partes particulares (nariz, seios, pés) são particularmente estranhas, deformadas ou feias. Muitas vezes, as pessoas com esses delírios acreditam que podem ter algum erro interno ou parasita que está destruindo ou afetando alguma parte muito específica de seu corpo.

    Causa

    As causas dos delírios são desconhecidas. Os interesses atuais na neuropsicologia levaram alguns a especular que as características biológicas que funcionam mal podem causar ou exacerbar o problema. Alguns implicaram gânglios basais, outros o sistema límbico e ainda outros o neocórtex. As investigações continuam.

    Para outros, as explicações genéticas são melhores porque muitos com distúrbios delirantes têm parentes de primeiro grau com estes e distúrbios relacionados.

    Outros pesquisadores apontam que muitos com o transtorno tiveram uma infância difícil caracterizada por instabilidade e turbulência, insensibilidade e frieza. Eles consideram que os delírios constituem uma deficiência no sistema de defesa do ego com o objetivo de proteger e fortalecer o eu. Eles vêem os delírios paranóicos ou persecutórios como uma tentativa de se projetar sobre outras coisas que eles não gostam de admitir em si mesmos. O tratamento inclui consultoria tradicional, psicoterapia e o uso de drogas antipsicóticas.

    Dissimulação e Delirios

    Muitos afirmam com razão que nas entrevistas e nos questionários, as pessoas mentem, falsificam ou enganam. Os psicólogos chamam essa dissimulação, mas recentemente distinguiram dois tipos muito diferentes de dissimulação:

    • Gerenciamento de impressões. Isto é tudo sobre apresentar-se em uma luz positiva, talvez esquecendo certas coisas e compartilhando pequenas "mentiras brancas" sobre outra.
    • Auto-decepção. Estritamente falando, isso não está mentindo, mas é mais como uma ilusão. Se alguém diz que tem um senso de humor, mas todos os que os conhecem dizem que não, estão enganando a si mesmos. Da mesma forma, quando alguém se sente feio ou claro enquanto todos os outros (amigo, conhecido, estranho) acreditam que não são, isso implica uma auto-decepção negativa. Nas entrevistas, algumas formas de auto-engano começam a se aproximar de delírios.