Afeganistão: Confissões de um pacificista apoiante e apoiante Obama altamente conflituoso

Uma rápida pesquisa da minha página do Facebook após o último discurso de Barack Obama não deveria ter me impressionado. Os conservadores encontraram uma maneira de criticar Obama, e os liberais estão, em geral, lutando para fazer sentido do plano de Obama para aumentar as tropas no Afeganistão. Estou claramente no campo tentando dar sentido a tudo isso.

Primeiro, um pouco de fundo: eu fui criado muito para ser um cristão evangélico e praticamente amar tudo o que os republicanos fazem. Em algum lugar da minha vida, a socialização foi terrível. Eu termino (mãe de respiração profunda) como um teórico inclinado liberal, que encontra a crença no Inferno (e qualquer tipo de fundamentalismo religioso) tão repulsivo como a guerra ou ser atacado por vinte homens que acabaram de ter um concurso de confecção de cachorro quente (desculpe, mãe, Eu deveria ter respirado profundamente lá também!).

Ok, com isso fora do caminho, vamos chegar à minha mentalidade após o debate e durante o mesmo. Bem, ao falar-me de um mar dos debates políticos do Facebook, percebi algo. Aqui estou, muito perto de um pacifista, concordando com a decisão de Obama de aumentar os esforços de guerra. O que eu acho tão perturbador e coloca minha mente e coração em um saca-rolhas total de empatia e dor, agora aprovado. Às vezes, gostaria que não fosse tão analítico de mim mesmo. Eu adoraria agitar a bandeira com alto e orgulho e usar meus pinos de Obama e apoiar a guerra de todo o coração.

Mas quanto mais penso nisso, mais desconfortável eu recebo de qualquer maneira. Por um lado, eu sinto que eu deveria concordar com alguém que eu acho incrivelmente razoável e quem sabe muito mais do que eu sobre isso (eu deveria ter respirado profundamente meus amigos conservadores lá). Mas então eu penso em voltar aos anos de Bush, e essas foram as mesmas desculpas / razões que os apoiantes de Bush deram (bem, exceto que eu deixei Deus fora disso e Obama também). Por outro lado, desprezo a guerra e quase não consigo pensar nisso, e muito menos tentá-la e sentir-me ou simpatizar. Então o que eu faço?

Muitos psicólogos argumentaram que a ameaça máxima para os humanos é a incerteza. Quando tudo mais falhar, precisamos assumir posição e acreditar em algo. Mas quando nos analisamos verdadeiramente, isso causa um mar de incerteza. E, experimentando isso de primeira mão, esse total de incerteza é uma merda.

Portanto, não tenho certeza de onde isso me deixa além do incerto e quer quer amar tudo o que Obama faz, ou se opor a essa onda de tropas com todas as minhas forças. Mas não posso. Talvez seja o movimento certo e talvez não. Conheço isso, mas, no entanto, tenho um nível de intestino tão emocional, um desdém de joelhos na guerra e o amor de Obama que ele aproveita melhor esse raciocínio.

E acho que essa incerteza, esse desconforto, é por que tantas pessoas não procuram pensar além das linhas partidárias. A vida é muito mais fácil e simples (e coerente, estável e controlada) quando um grupo está certo e um está errado.

Parte de mim deseja que as coisas na minha mente sejam tão preto e branco, mas parte de mim teme que as pessoas vejam algo como preto e branco. Nada é preto e branco.

Odeio a guerra, mas acho que Obama é o homem certo para o trabalho. E quando a poeira se instala neste conflito de visão de mundo dentro, está tudo bem comigo. As coisas são cinzentas depois de tudo.

Related of "Afeganistão: Confissões de um pacificista apoiante e apoiante Obama altamente conflituoso"