Aumenta os níveis de estresse dos estudantes

É sobre o desemprego?

Uma pesquisa recente revelou níveis de estresse sem precedentes entre estudantes universitários nos EUA. Muitos comentaristas chegaram à conclusão de que isso refletia o mercado de trabalho incerto. Mas os altos níveis de desemprego realmente causam estresse nos estudantes?

Taylor Clark comentou sobre Slate que ele achou essa explicação improvável. Os aumentos nos níveis de estresse fazem parte de uma tendência de longo prazo nos EUA: "Nas últimas décadas, tanto nos bons tempos econômicos quanto pelo ruim, os Estados Unidos se transformaram em campeão incontestável da comunidade do planeta". De acordo com seus números, 18 % da população sofre de transtornos de ansiedade, enquanto as vendas de medicamentos anti-ansiedade como Valium e Xanax estão em níveis recorde – e aumentando.

Autor de Nerve, um novo livro sobre o estresse, Clark ofereceu três razões diferentes que o atingiram como mais plausível para explicar o aumento do estresse: a crescente perda de comunidade dos Estados Unidos (o que ele chama de Alonesyndrome de Bowling); sobrecarga de informações a que estamos sujeitos; e "nossa atitude intolerante em relação aos sentimentos negativos". (Veja, "Não é o mercado de trabalho").

Estou certo de que o estado da nossa economia deve estar entre os fatores contribuintes. Nada aumenta a ansiedade como a incerteza sobre o pagamento de nossas contas. Mas acho que Clark tem um ponto: estar sozinho piora. A popularidade das mídias sociais e as conexões superficiais entre nós que promoveu aumentaram o estresse, especialmente em uma época em que passamos a pensar que a internet está nos aproximando todos.

De certa forma, as mídias sociais exacerbam os três pontos de Clark. Ter muitos "amigos" no Facebook pode facilmente trazer a casa para nós como poucos amigos temos em quem realmente podemos confiar em momentos de estresse. Qual de todos esses "amigos", por exemplo, nos dará dinheiro para nos afetar por um ponto apertado? A inundação de informações que temos pode trazer para casa o pouco que sabemos sobre alguém que realmente importa. E a internet incentiva-nos a desligar um link assim que nos deixamos ansiosos ou desconfortáveis ​​com ele. Isso, por sua vez, força para enfrentar a forma como somos isolados.

O novo livro de Sherry Turkel, Alone Together, nos oferece uma boa visão de como as mídias sociais, oferecendo-nos a promessa de uma maior conexão, realmente acabam nos tornando mais solitários. Os "amigos" do Facebook só conhecem as coisas mais superficiais umas das outras, enquanto os "tweets", por definição, interrompem a comunicação antes que as pessoas possam se aproximar de dizer o que importa. O e-mail muitas vezes é destituído de conteúdo emocional, ou implica sentimentos que não estão realmente lá.

Turkel escreve: "Estamos sozinhos, mas temerosos de intimidade". Isso é em poucas palavras! Os links superficiais e transitórios das mídias sociais realmente não nos permitem conhecer-nos. A intimidade real requer mais conexão, mais esforço, mais tentativa e erro – e o risco real de desapontamento.

Estamos dispostos a ficar lá e descobrir o que vai acontecer?

  • Uma nova maneira de lidar com a raiva
  • Vivendo uma vida examinada
  • Estar atento
  • Redefinindo a esperança
  • Existe tal coisa como gay (ou em linha reta)?
  • Transtorno explosivo intermitente: não, isso NÃO é tudo sobre Mel "Mad Max" Gibson!
  • Jacqui Dillon na Rede de Vozes de Audição
  • 8 Mensagens para Ensinar Mulheres e Meninas sobre Felicidade
  • Podemos diferenciar as ideias, mas somos unidos na dignidade
  • Endurecimento do site: Predador-prova sua casa
  • Trinta e três Rondas de Radiação
  • A morte do asilo
  • Cuidados Pessoais para Ativistas
  • Baby Boomers mudará o mundo novamente?
  • Colocando nossa política nacional no sofá da terapia
  • Domesticação e Tameness: o que realmente conhecemos?
  • O que significa "tornar a América de novo"
  • Compreensão do viés, dos preconceitos e da violência
  • Comporte-se!
  • Melhores Práticas para Tratar Pacientes Suicidas
  • Carrie Fisher: transformando problemas em Punchlines
  • Um "Crime", mas não um ato arrestável
  • Dignidade e local de trabalho (Parte 1)
  • Charlie Heriot-Maitland sobre Compaixão e Psicose
  • Dependência de jogos de vídeo: ocorre? Se assim for, por quê?
  • Mecanismos de defesa
  • Meninos sem pais: 3 mitos, 3 milagres
  • Crianças precisam de atenção especial durante as comemorações do 11 de setembro
  • Simpatia pelo diabo?
  • O Poder da Preensão
  • The Bronx Hospital Shooter: Crise catatímica crônica?
  • O que todos devem saber sobre a culpa do sobrevivente
  • Classe social
  • Uma nova torção sobre a genética do sono
  • Quando seu companheiro bebe demais
  • Por que os outros são tão bem sucedidos em fazer mudanças no estilo de vida?