Chegando a Oz: a jornada pessoal em casa do verdadeiro eu

Eu quero te contar uma história. Pode ser um que você conhece, mas vale a pena recontar, pois é a base da publicação de hoje e do meu livro Getting to Oz. Ao ler, sugiro que você pense na mensagem poderosa que esta história traz. É a razão pela qual este simples conto inspirou muitos de nós por mais de um século:

Uma garota chamada Dorothy foge de casa com seu cachorro Toto. Ela é varrida por um poderoso tornado e depositada em um lugar distante chamado Oz. No começo, ela está assustada e só quer que alguém a ajude a voltar para casa. Mas, apesar de seus medos, ela logo se acalma ao meio ambiente, aproveitando ao máximo qualquer ajuda que seja oferecida. Juntado por seus novos amigos – um leão, um espantalho e um estaminista – ela atravessa a estrada de tijolos amarelos para Oz, a casa de um grande e poderoso mago que ela acredita que a ajudará a voltar para casa. No final, ela descobre que não precisa de sua ajuda, nem de ninguém. Ir para casa é, e sempre esteve, totalmente dentro de seu próprio poder.

Há muitas mensagens positivas nesta simples história, mas esta sempre se destacou para mim: não há lugar como em casa. Quando eu li pela primeira vez a história, levei essa mensagem ao valor nominal. Mas, como pensei mais sobre isso, percebi que a necessidade ardente de Dorothy não era para casa no sentido tradicional. Afinal, ela não estava fugindo de casa, tentando encontrar seu próprio caminho no mundo? O destino de Dorothy não estava claro para ela, mas ela tinha um ardente desejo de chegar lá. Ao longo de sua jornada, ela aprendeu que a casa era muito mais do que um lugar físico ou um lugar de onde viemos; O lar é um lugar para o qual aspiramos quando começamos a ansiar por algo mais em nossas vidas – seja lá o que for que esteja ao longo do arco-íris. Este é o lar do desejo do nosso coração.

O lar é mais do que um lugar de onde viemos; é um lugar para o qual aspiramos.

Ir para casa ou chegar a Oz é uma jornada para o nosso verdadeiro eu. Home significa deixar para trás o seguro e familiar para encontrar o que é certo para cada um de nós – a vida que imaginamos e projetamos para nós mesmos. Chegar a Oz é uma jornada de auto descoberta que ninguém pode fazer para nós – não nossos parentes, nem nossos amigos, nem nossos parceiros. Para chegar a esta nova casa exige que deixemos o ninho, um lugar de segurança e segurança. A promessa desta jornada é o que se encontra sobre o arco-íris. O que encontramos é a nossa verdadeira casa, onde podemos reivindicar uma vida de realização e significado – a vida que nascemos para viver, de forma exclusiva.

Chegando a Oz ( a casa para a qual aspiramos ) exige que nos aceitemos incondicionalmente, com todas as nossas falhas e limitações. Onde há auto-amor, não pode haver pretensões ou ilusões – apenas um caminho claro e focado para uma vida mais feliz e saudável. Temos que tomar uma decisão de amar a nós mesmos, a fim de dar os primeiros passos para o egoismo na estrada para Oz.

O eu na questão

Não importa o nosso estágio na vida, somos continuamente apresentados com estressores que nos desafiam a encontrar uma maneira de segurança e segurança mais uma vez. Essas mudanças no trabalho, relacionamento ou saúde arruinam a vida que conhecemos e nos lançam "dentro de um tornado" de medo e pânico, como aconteceu com Dorothy. Essas voltas de destino descendentes nos desafiam a encontrar a passagem da segurança para um novo lugar, uma nova casa que expressa toda a nossa aprendizagem, crescimento e esperança para o futuro. No início, podemos tentar resistir. É difícil para nós mudarmos da identidade que forjamos até agora, a identidade que engloba nossos valores e crenças, mesmo que seja o que é certo. Mas um espírito ergue-se dentro de nós que nos obriga a avançar, nos obriga a continuar tentando encontrar novamente um lugar de segurança, conforto e satisfação que podemos chamar de lar.

Nós percebemos que estamos sozinhos dentro do tornado e devemos deixar nossos anexos que nos impedem de nos manter presos em um lugar que não atenda mais aos nossos desejos e necessidades. Com este primeiro sentimento de perda e confusão, podemos procurar segurança e proteção imediata tentando recuperar o que foi perdido. Mas logo percebemos que não há retorno. Não há nada a fazer senão perseverar e se adaptar a uma paisagem em mudança que parece estranha e familiar, assim como Oz apareceu para Dorothy.

Estamos desafiados a entrar na estrada de tijolos amarelos, tentar coisas novas, expandir a experiência até ver o caminho para nossa nova casa. Depois de várias voltas de tentar isso e aquilo, começamos a ver o nosso caminho. O que precisamos ser verdadeiramente cumprido torna-se mais claro para nós, de modo que os caminhos que escolhemos para avançar ressoam profundamente com nosso eu psicológico e espiritual. Finalmente, chegamos à nossa própria versão do Oz. O incrível caminho sinuoso nos recompensa com o autoconhecimento – a realização de quem realmente somos e o que é preciso para que possamos viver uma vida profundamente significativa e feliz.

Nenhum de nós pode evitar mudanças estressantes. Mas, podemos escolher tratar as mudanças estressantes um pouco mais do que um incômodo e recusar-se a reconhecê-las como oportunidades poderosas para forjar uma vida que expressa plenamente nossos desejos e necessidades. A ferramenta mais poderosa que temos na vida é o autoconhecimento; Isso nos arma com plena compreensão de nossos verdadeiros talentos e habilidades que são a base para escolher os caminhos certos da vida para se desenrolar. Alguns de nós aproveitam o momento de uma mudança estressante para desenvolver nossas vidas para melhor, enquanto outros simplesmente deixam o vento soprar de um lugar para o outro, na esperança de superar seu verdadeiro eu.

A vida é uma jornada preciosa criada por nossos próprios esforços. A melhor vida possível é uma vida que é rica em autocompreensão, pois nossos insights e auto-apreciação nos levam a um lugar de conforto e segurança que podemos chamar nossa casa. Embora sempre existam desejos que não podemos cumprir, se optarmos por fazer a viagem a Oz, teremos apenas o suficiente de nossos verdadeiros eixos em nossa escolha de trabalho, relacionamentos e atividades que nos enriquecem e que a vida valha a pena viver.

Para saber mais sobre como chegar a Oz, veja Como chegar a Oz: a jornada pessoal em casa para o verdadeiro eu.

  • Uma mensagem final de Osama bin Laden
  • Twitter Takes on Iron Man 3: Por que Tony Tony não pode dormir?
  • 4 Princípios Mantendo você Juntos, para Melhor ou Pior
  • Uma cura filosófica para a ansiedade
  • Pergunta para sonhar (ou talvez apenas dormir)
  • Running pode ajudar a reparar alguns tipos de danos cerebrais
  • Os pais podem evitar a guerra do irmão envolvendo o pai mais
  • A depressão pode ser uma doença física?
  • Doença de Depressão? Healing Double? Ou fez lucro duplo?
  • A Sabedoria de Nossos Anciãos
  • Demasiado, muito assustador
  • Psicologia, Arte e Fluidos Corporais
  • É hora de proibir os anúncios de alimentos?
  • Por que voltar para casa pode nos deixar sentindo perdidos
  • Shaming Men não cria sexualidade saudável
  • Medicamentos de prescrição e negligência: uma combinação letal
  • Psicoterapia, Medicação ou Sentido Corporal para Saúde Mental?
  • A "MELHOR" medicação para dor lombar crônica nas costas
  • Turistas mais antigos
  • O que o filme "Amour" nos informa sobre envelhecimento e cuidados
  • O clima afeta o crescimento econômico?
  • O que os professores precisam saber sobre os cérebros dos seus alunos
  • Americanos, os povos de Marlboro: auto-confiança (e conforto) em abundância
  • Este é seu cérebro no estresse
  • 12 razões para usar um plano de refeições na recuperação da anorexia
  • Sintonize seus inesperados olímpicos
  • Você é um líder objetivo?
  • Os vídeos eróticos podem ajudar os jogadores de futebol a pontuar Touch Downs?
  • Adolescentes e Depressão - Parte 1
  • Vivendo mais plenamente no presente e amando em relacionamentos
  • Você está dormindo o suficiente? Há apenas uma maneira de contar.
  • Seja o CEO do seu próprio cérebro em seis etapas fáceis
  • Medo e cultura: o que precisamos aprender sobre o Ebola
  • Grief vs Depression - One Last Word
  • Prosopagnosia: por que alguns são cegos às caras
  • Limpeza e liberação emocional