Conhece a ti mesmo: Como escrever uma declaração de reflexividade

Mais auto-consciência irá ajudá-lo em seu caminho para ser um psicólogo melhor.

Os físicos sabem há décadas que o processo de observar e medir fenômenos modifica esses mesmos fenômenos – o chamado “efeito observador”. Não importa se o “observador” é um ser humano ou algum aparato mecânico – há um impacto inevitável. sobre o que está sendo medido, mesmo no nível quântico. Além disso, quanto mais observar, maior o efeito.

Os cientistas sociais sabem que os pesquisadores podem afetar os resultados também. Esta é a razão para os estudos duplo-cegos, porque os experimentadores podem inconscientemente dar pistas aos participantes e influenciar os resultados dos estudos. Esta é uma maneira de criar um efeito placebo.

Realmente, apesar de quão incrivelmente bem conhecidos são esses efeitos de pesquisadores, é notável o quanto os cientistas sociais ainda adotam o manto da objetividade. O manto da objetividade envolve basicamente fingir que a razão pura e objetiva orienta todos os aspectos da pesquisa psicológica – a escolha do tópico, as questões de pesquisa, as medidas, as análises, a interpretação. Em alguns círculos, é tão importante manter essa charada de imparcialidade que até mesmo evitamos usar pronomes em nossas frases! Dizemos coisas como “as pesquisas foram administradas” de uma forma que sugere que os humanos não eram os atores que distribuíam as pesquisas! (Como um aparte, disfarçar o papel dos pesquisadores através do uso extensivo do tempo passivo é também uma razão pela qual tantos artigos de pesquisa são tão difíceis e maçantes de serem lidos.)

Na pesquisa sobre problemas sociais, podemos ser particularmente sensíveis sobre a questão da neutralidade. “A pesquisa de advocacy” é arremessada como um insulto a pessoas que estudam a violência, que – chocante! – são abertamente contra a violência. Eu sempre achei isso especialmente ridículo. Os pesquisadores não são tipicamente neutros sobre seus tópicos. O pesquisador de câncer não é neutro sobre se uma nova droga faz um tumor encolher ou crescer. O cientista de foguetes não é neutro sobre se o foguete atinge a lua.

Precisamos abandonar o manto da objetividade. Os cientistas sociais fazem parte dos contextos sociais que estudam . Um físico pode criar um vácuo artificial no laboratório (e ainda não estar totalmente imune ao efeito do observador), mas a ciência social nunca existiu e nunca existirá no vácuo. Os cientistas sociais não podem sair da cultura nem do seu lugar na história. Não podemos ficar “fora” dos fenômenos que estamos tentando estudar. Ou, mais concisa: “onde quer que você vá, aí está você”. 1 A consciência de seu lugar no contexto sociocultural pode ajudar a impedir que você, inadvertidamente, reforce hierarquias prejudiciais ou dinâmicas sociais.

No entanto, a falta de objetividade não é apenas um problema, é também uma oportunidade . Durante décadas, estudiosos feministas e pós-modernos encorajaram os pesquisadores a reconhecer seu contexto cultural, político e social, e a “refletir sobre” (daí o termo “reflexividade”) as maneiras pelas quais esses contextos influenciam a pesquisa e a erudição. Uma maneira de fazer isso é preparar e disseminar uma declaração de reflexividade (às vezes chamada de declaração de posicionalidade ). As declarações de reflexividade estão se tornando mais comuns. Minha equipe e eu fomos obrigados a preparar uma declaração de reflexividade para uma recente concessão da fundação, e recentemente fui encorajado a incluir uma em um artigo de revista revisado por pares.

Além da influência de sua posição social em relação a gênero, raça, idade, orientação sexual e outras características, seus próprios valores, ética e treinamento afetam a maneira como você conduz a pesquisa. Tudo isso pode ser um ponto forte – eles podem fornecer insights únicos que os outros não têm e fazem parte do que você tem para contribuir como cientista ou acadêmico. No entanto, eles também podem ser fraquezas, e você pode estar fazendo suposições ou não percebendo aspectos do fenômeno que está estudando. Mais consciência pode ajudá-lo a usar os pontos fortes e minimizar os pontos fracos.

Embora você possa querer preparar uma declaração de reflexividade personalizada para cada projeto (por exemplo, aqui está uma que preparei para um projeto que se concentra em meninos e homens ou cor), também pode ser útil ter uma mais geral que reflita quem você é um pesquisador.

Questões-chave

As características pessoais que definem sua posição social.

Comece com o básico. Em muitos ambientes profissionais tradicionais, pode parecer muito radical apenas reconhecer sua posição social básica, como algo como “eu sou branca, classe média alta, cisgênero, heterossexual, sem deficiência física”. declaração incrivelmente forte para incluir em um artigo de pesquisa, então você teve seu primeiro vislumbre de como você está vinculado por convenções profissionais. Como diz o ditado, “Isto é água”. Você está nadando em convenções sociais o tempo todo, mesmo quando está conduzindo ciência, e pode ser difícil perceber isso.

Depois de reconhecer essas características, você pode começar a ponderar o significado delas para o seu trabalho. Como suas características pessoais são fontes de poder e privilégio ou, alternativamente, marginalização e desvantagem? Muitos de nós têm uma mistura de características, algumas das quais conferem privilégios, outras marginalizam. O que o reconhecimento do poder que você tem significa para o seu trabalho? Como você pode tomar medidas para garantir que você não reforce o contexto social do qual você vem em seu trabalho?

Pergunte a si mesmo:

Quais características orientam você na sociedade? Idade, gênero, raça (como construção social), orientação sexual, identidade de gênero, classe social e estado de saúde são algumas das principais características que situarão quase todos em seu contexto social mais amplo. Como você se define? Isso mudou com o tempo? Sua consciência do impacto dessas características mudou com o tempo? Pense em como suas características podem conferir poder, privilégio ou marginalização e como as características podem “se cruzar” umas com as outras para criar seu ponto de vista exclusivo.

As configurações em que você cresceu e informações relevantes da família.

Para mim, parece um pouco mais fácil reconhecer alguns fatos históricos sobre minha educação, talvez porque eles sejam mais comumente discutidos em conversas casuais entre conhecidos. Estes também são importantes para entender como fontes de insights potenciais e potenciais pontos cegos.

No meu caso, eu cresci no sul, moro em Appalachia há dez anos e tenho raízes multigeracionais em Appalachia e no sul dos EUA de forma mais ampla. Eu passei a maior parte da minha vida adulta vivendo em áreas rurais e pequenas cidades. Meu pai foi para a faculdade na conta do GI e se tornou a primeira pessoa de sua família a obter uma educação universitária. Eu fui a primeira pessoa a obter um diploma de pós-graduação (minha irmã foi a segunda). Acho que esta história é uma das razões pelas quais tenho focado muito do meu trabalho em comunidades marginalizadas e desfavorecidas. Meu histórico também me deu habilidades de “code-switching” – ou a capacidade de mudar idioma, dialeto ou outros recursos de comunicação de um ambiente para outro, à medida que aprendi a navegar na classe trabalhadora da minha família e classes profissionais dos subúrbios de Washington, DC onde cresci, depois que o diploma de engenharia de meu pai o levou para a NASA. A troca de códigos é uma habilidade subestimada e usada para tentar trazer as perspectivas das pessoas marginalizadas para um lugar mais proeminente na pesquisa. Por exemplo, este artigo sobre a resistência dos Apalaches à tecnologia moderna.

Mais recentemente, mas não menos importante, tornar-se pai causou um profundo impacto nas maneiras pelas quais vejo muitos aspectos de lidar com a adversidade e navegar pelos serviços sociais . Por exemplo, quando comecei a trabalhar em violência doméstica, muitos abrigos não levavam crianças do sexo masculino, nem mesmo aos 6 anos de idade. Os filhos adolescentes ainda não são bem-vindos em alguns contextos. Ainda assim, eu costumava encorajar as mulheres a considerar essas opções, para sua própria segurança. No entanto, agora, como mãe de um filho adolescente, percebo que nunca o deixaria sozinho em um ambiente perigoso. Quando eu era um jovem profissional sem uma família minha, eu tinha um ponto cego sobre a paternidade que eu não havia reconhecido. Tornar-se pai mudou fundamentalmente as maneiras como penso em muitos aspectos do enfrentamento da violência familiar.

Pergunte a si mesmo:

Como suas experiências na primeira infância afetaram suas escolhas de carreira? Suas escolhas de bolsa de estudos? Como sua criação e posicionalidade influenciaram as oportunidades disponíveis para você? À medida que você pensa sobre seu próprio curso de desenvolvimento ao longo da vida, esses impactos mudaram à medida que você se moveu pela adolescência, idade adulta jovem, idade adulta intermediária e idade adulta tardia?

O quadro oferecido por sua disciplina ou instituição.

Sempre que vou à convenção da American Psychological Association, tenho a experiência constante de pensar que vejo alguém que conheço com o canto do olho. Eu tenho muitos colegas fora da psicologia e considero meu trabalho multidisciplinar, mas essas viagens à APA sempre me lembram o quanto sou psicóloga. Ou, ainda mais especificamente, um psicólogo clínico. Meus colegas e eu temos maneiras de nos vestir, caminhar e nos expressar, que refletem nosso treinamento como clínicos. Mais cardigans que blazers e esses cardigans refletem uma visão de mundo tanto quanto uma escolha de indumentária.

Do lado positivo, meu treinamento clínico ajuda a me manter focado na aplicação da pesquisa. Como as pessoas podem usar as descobertas científicas mais recentes? O que os provedores precisam saber? Do lado negativo, a psicologia tem uma tendência a ser muito focada em indivíduos e não em sistemas sociais, e eu ainda luto por ter que me lembrar de olhar para os sistemas e não apenas para as pessoas.

Reconhecer e reconhecer as lentes profissionais através das quais você aborda qualquer questão de pesquisa também faz parte da autoconsciência .

Relacionado a isto, estarão as especificidades de qualquer projeto dado. Você escolheu métodos qualitativos ou quantitativos (ou ambos)? Você está confiando em autorrelato, observação, registros oficiais, exames médicos ou outras medidas? Você está se concentrando em uma faixa etária específica ou outro subgrupo na população? Todas essas escolhas afetarão o tipo de informação que você obtém e o que você acaba pensando são as respostas para suas perguntas de pesquisa. Pesquisadores qualitativos são usados ​​para justificar sua abordagem em artigos, mas é algo que todos os pesquisadores poderiam se beneficiar.

Pergunte a si mesmo:

O que significa ver suas perguntas de pesquisa através das lentes de sua disciplina, seja psicologia, serviço social, saúde pública, medicina, direito, justiça criminal ou algo mais? Existem maneiras de seus métodos de pesquisa ou bolsa de estudos afetarem as informações obtidas ou criar pontos cegos potenciais em seu trabalho? Como essas convenções estão sustentando o status quo ou reforçando os privilégios de pessoas em posições de poder e influência? Quais são os pontos fortes e fracos dessas lentes profissionais?

Espaços Profissionais Versus Espaços Terapêuticos

Finalmente, uma última questão a ser considerada é navegar o limite entre espaços profissionais e terapêuticos e decidir o quanto é pessoal. A coisa mais importante a lembrar é que você tem o direito de controlar sua própria narrativa . Você não é obrigado a fazer nenhuma divulgação que não deseja fazer, nem é obrigado a manter silêncio sobre questões que deseja abordar.

Nas declarações de reflexividade ou posicionalidade, as pessoas costumam mencionar onde cresceram, mas raramente entram em detalhes sobre o divórcio de seus pais. Há um equilíbrio aí. Você não precisa sacrificar sua personalidade profissional para refletir sobre o que está trazendo para o trabalho como uma pessoa da vida real. Também é importante que você não use essas afirmações como um substituto para qualquer cura que você precise – elas são para pesquisa, não para terapia. Como pesquisador de vitimização, aprendi que praticamente todo mundo que sobrevive à idade adulta acabará experimentando uma adversidade. Em nossas amostras, geralmente, 98-100% da amostra relata pelo menos uma adversidade significativa, e mais de 8 em 10 relatam alguma forma de vitimização, especialmente quando se inclui o assédio moral na infância, crimes contra a propriedade e outras ofensas generalizadas.

Há também a questão real do estigma, e é importante ser intencional sobre as escolhas que você faz em relação à divulgação de informações potencialmente estigmatizantes, como uma história de trauma. Como vimos recentemente no movimento #metoo e também outros antes dele, pode ser importante divulgá-lo, especialmente com o apoio de outros, mas também pode ser arriscado. Por exemplo, alguns dos meus trabalhos recentes se concentram explicitamente no Appalachia, e eu experimentei muito mais estereótipos quando falo de ter raízes nessa comunidade – de perguntas sobre minha falta de sotaque (veja as habilidades de troca de código mencionadas acima) para um Surpresa total do professor que eu tinha (de todas as coisas) o mesmo Fitbit como ela (como se as pessoas de Appalachia não podem acessar ou pagar a tecnologia moderna).

A maioria das declarações de reflexividade se concentra em mais tipos públicos de informação – o tipo de informação que muitos de seus conhecidos ou amigos casuais podem saber sobre você. No entanto, isso pode depender da configuração. No país indiano, por exemplo, onde trabalhei algumas, mais divulgações pessoais são a norma e eu frequentemente divulgo muito mais sobre os detalhes da minha própria história nessas configurações do que em outros lugares.

Pergunte a si mesmo:

Como você quer controlar sua narrativa? O que você gostaria que as pessoas soubessem sobre você? Quais são as vantagens e desvantagens de determinadas divulgações? Existem configurações diferentes em que diferentes níveis de divulgação fazem sentido? (Esteja ciente de que suas escolhas de divulgação podem não funcionar para outra pessoa, mesmo na mesma configuração.) Existem maneiras de usar seu capital social e / ou privilégio profissional para ajudá-lo a lidar com revelações sobre adversidade ou marginalização? É assim que vejo meu trabalho atual nos Apalaches – como uma chance de usar meu privilégio profissional de me afastar de estereótipos comuns. (Em um tópico um pouco diferente, vale a pena pensar em maneiras pelas quais você pode usar seu próprio capital social ou privilégio profissional para ajudar outras pessoas mais marginalizadas ou desfavorecidas.)

Conclusões e implicações

Pode ser uma experiência muito poderosa para preparar uma declaração de reflexividade (também conhecida como posicionalidade) – uma que diga à sua autobiografia profissional e como você chegou a ser o pesquisador que é hoje! Uma declaração mais longa, de aproximadamente 3 a 5 páginas, pode lhe dar espaço para realmente explorar alguns desses problemas. Pessoalmente, descobri que é um poderoso exercício profissional e pessoal para escrever uma declaração detalhada de reflexividade . Às vezes, apenas uma breve declaração de reflexividade é garantida no espaço disponível. Um exemplo de um mais curto está abaixo.

Depois de ter escrito, há várias etapas que você pode seguir para usá-lo. Além do simples reconhecimento, a declaração pode fornecer ideias sobre questões ou medidas de pesquisa alternativas. Considere métodos de pesquisa, como a pesquisa participativa baseada na comunidade (CBPR), que inclua as vozes dos participantes como partes interessadas e reconheça mais explicitamente os pesquisadores como parte do contexto de qualquer projeto. Entre em contato com colegas que têm uma série de características e certifique-se de que você não esteja, sem querer, apenas colaborando com pessoas muito parecidas com você em características pessoais, sociais ou educacionais importantes.

Exemplos e Recursos

Aqui está um exemplo recente de uma breve declaração de reflexividade incluída em um artigo revisado por especialistas em um importante periódico de comunicação.

Esta pesquisa é baseada no Centro Appalachian de Resiliência Research (ACRR), que visa melhorar o estudo desta região única do país. Não só é Appalachia understudied, mas muito do seu retrato ainda é governado por estereótipos. A missão da ACRR é apresentar um retrato mais baseado em evidências da região. Os três primeiros autores foram residentes da comunidade quando o estudo foi realizado. SH tem raízes multigeracionais nos Apalaches. Ela passou a maior parte de sua vida adulta em comunidades rurais e viveu no Planalto Cumberland, na região mais ao sul de Appalachia, por nove anos. ET e AS são os residentes mais novos da área, que vieram para o trabalho e para a escola (respectivamente). ET viveu na área por dois anos e AS por quatro anos na época do estudo. Ambos foram criados no sul dos Estados Unidos. KM e LJ são especialistas em comportamento online e são da Nova Inglaterra. Este é seu primeiro estudo baseado em Appalachia.

1 A origem da citação “Onde quer que você vá, lá está você” é muito debatida online, com uma referência popular no filme clássico cult Buckaroo Banzai recebendo muitas menções, mas a fonte original parece ser Thomas à Kempis, ca 1420, em o devocional intitulado A imitação de Cristo . Um best-seller há seis séculos, tem inúmeras passagens que podem atrair muitas pessoas que buscam discernimento e sabedoria, sejam ou não particularmente religiosas. (p 49, tradução de William Creasy, Mercer University Press, 1989/2007).

Referências sugeridas:

A Robert Wood Johnson Foundation tem um bom site com uma visão geral da reflexividade:

Aqui está outro exemplo que não está atrás de uma parede de pagamento

Em um artigo anterior sobre reflexividade, Sue Wilkinson (1988) descreveu três tipos: pessoal, funcional e disciplinar. Cada um deles implica analisar a lente específica que é trazida para um problema. A reflexividade pessoal explora a lente relacionada à identidade e às experiências do pesquisador. A reflexividade funcional explora como a forma e a natureza do estudo específico impactam o conhecimento obtido, enquanto a reflexividade “disciplinar” explora o impacto de abordar uma questão de um campo específico de investigação.

Obrigado a Martha Dinwiddie por seus comentários sobre um rascunho anterior deste artigo.

© 2018 Sherry Hamby. Todos os direitos reservados.

  • Insight na mente violenta
  • Crie uma Prática de Auto-Encorajamento para 2019
  • Infratores femininos violentos
  • Quando os homens se afastam das mulheres mentoras
  • Abuso Relacional: De Subtil a Violento
  • O que é considerado abuso infantil?
  • Os narcisistas e os sociopatas estão aumentando?
  • Nós temos multidões de histórias #MeToo
  • Os filhos de imigrantes ilegais devem ser usados ​​como dissuasão?
  • O impacto a longo prazo do abuso infantil
  • A solução para a violência baseada no medo é a fé
  • Quando é seguro contar uma história?
  • Respostas da comunidade para consentir violações
  • O TDAH é Real?
  • Como os narcisistas formam relacionamentos abusivos e co-dependentes
  • Pais solteiros têm altas taxas de mortalidade
  • Controlar Lutas nos Relacionamentos
  • Underreconhecimento do PTSD II: os médicos são ensinados errado
  • Jordan Peterson: Anti-Estóico
  • Compaixão por vício quando o desprezo causa dano
  • Ligados: Experiências Adversas da Infância, Saúde + Dependência
  • Quando é seguro contar uma história?
  • Como o sexismo arruina relacionamentos
  • Como reconhecer os sinais sutis de abuso de relacionamento
  • Uma revisão das "Big Little Lies" da HBO
  • Como os narcisistas formam relacionamentos abusivos e co-dependentes
  • O que nos torna resilientes?
  • Acusações de bullying nas audiências de confirmação do Senado
  • Quando o suficiente é suficiente: o custo da conversa de perda
  • Dominação Trump e Gênero
  • O governo federal está cometendo abuso infantil?
  • Falando sobre a fertilidade
  • O que sabemos (e não sabemos) sobre os psicopatas femininos
  • Tiro em massa e o mito do doente mental violento
  • Os narcisistas e os sociopatas estão aumentando?
  • A solução para a violência baseada no medo é a fé