New York Times oped: The Hidden Brain e colorism

Eu operei no New York Times hoje discutindo um problema que eu exploro extensivamente no meu novo livro – o problema do colorismo. A maioria das pessoas pensa sobre o preconceito racial como sendo apenas sobre como os brancos pensam sobre os negros, mas a realidade é muito mais complicada e matizada. A questão não é apenas que o racismo é sobre grupos diferentes de brancos e negros. Uma vasta gama de estudos experimentais mostram que, mesmo dentro de um único grupo, nossas mentes fazem distinções intrincadas entre as pessoas. Dentro de um grupo, como os afro-americanos, por exemplo, nossas mentes inconscientes fazem grades sutis que nos fazem discriminar mais contra os negros que são mais escuros do que aqueles que são mais esfolados.

Não tome a minha palavra para isso – o oped e o livro detalham a pesquisa empírica que prova que os arguidos afro-americanos de pele mais escura são mais do dobro do que os acusados ​​afro-americanos de pele mais clara para receber a pena de morte por cometer crimes de seriedade equivalente . O colorismo, como às vezes é chamado, é um problema inter-racial e um problema intra-racial.

A eleição de Barack Obama como presidente foi um momento orgulhoso para muitas pessoas preocupadas com o racismo. No entanto, muitos dos desafios reais na superação do preconceito ainda estão à frente. Bob Herbert no Times eloquentemente detalha alguns desses desafios em outro oped hoje. Eu teria adicionado um adendo ao ponto de Herbert sobre a crescente taxa de desemprego preta: não vi dados empíricos sobre isso, mas aposto que a recessão afetou desproporcionalmente os afro-americanos que são de pele mais escura em relação aos que são mais claros.

Saiba mais sobre The Hidden Brain, siga-me no Twitter e junte-se a mim no Facebook.

Related of "New York Times oped: The Hidden Brain e colorism"