Os 6 gatilhos do desejo

E como evitá-los.

O que é desejo? O desejo é uma experiência subjetiva de querer usar uma droga específica. O desejo é um sintoma central da dependência de drogas. Um desejo distingue-se da fome por ser intensa, voltada para o uso de uma droga específica.

O desejo é produzido pelo uso prolongado de drogas e é uma das causas mais freqüentes de recaída, mesmo após longos períodos de abstinência. Por exemplo, as pessoas que decidiram parar de beber podem mudar de idéia quando recebem uma bebida (Sayette, 2004). O desejo produz um desejo poderoso, muitas vezes esmagador, de consumir uma droga. Muitas vezes se intromete na vida diária dos viciados, às vezes controlando seus pensamentos e causando considerável agonia (Tiffany e Wray, 2011). É por isso que os desejos podem ser irracionais e vão contra o que sabemos ser o melhor para nós a longo prazo.

Os budistas consideram o desejo uma das principais toxinas da mente. Ao contrário dos psicólogos, que restringem a ideia do desejo às condições produzidas pelo abuso de substâncias, os budistas usam o termo de forma mais ampla para incluir o desejo de apego a objetos e situações para si mesmo (Goleman, 2004).

Um dos principais objetivos do tratamento da dependência de drogas é ensinar aos dependentes como lidar com os desejos causados ​​pelos seguintes fatores desencadeantes:

1. Sugestões Os desejos podem ser causados ​​pela exposição a um ambiente em que os medicamentos foram usados. Os adictos freqüentemente recairão após entrar novamente em um ambiente em que já usaram drogas, mesmo que tenham passado algum tempo em um programa de reabilitação. O cérebro viciado tem uma excelente memória para as drogas que aprendeu a amar (Wise, 1988). Para cada adicto, a memória é formada no primeiro hit. Isso explica por que o desejo pode ocorrer mesmo anos após a última dose da droga.

2. Expectativa Dicas ambientais podem desencadear expectativas poderosas sobre, por exemplo, os efeitos do álcool e que essas expectativas irão influenciar profundamente o comportamento do alcoólatra. Por exemplo, quando veem alguém bebendo, percebem o quanto apreciam o efeito do álcool e desejam experimentar esses efeitos (Tiffany1999). Experiências passadas com o álcool ajudam a moldar o valor atual das pessoas e as expectativas que elas colocam no consumo de álcool.

3. Crença (disponibilidade percebida). A oportunidade percebida de usar drogas é importante para que o desejo ocorra (Gu et al., 2016). Os desejos podem diminuir quando a droga é considerada indisponível. Por exemplo, quando o fumante é colocado em um contexto em que a substância não está disponível (durante 9 horas de vôo), o desejo é embotado. Mas a ânsia se intensificará no aeroporto, onde há uma oportunidade de fumar. Quando você sabe que uma recompensa não está disponível, você deixa de desejar e desloca sua atenção para outro lugar. Além disso, o custo de uma droga pode alterar a resposta do desejo. Skog (2003) mostrou que quando as lojas de monopólio estatais suecas para bebidas alcoólicas passaram para o autosserviço, as compras aumentaram substancialmente. Isso é equivalente a uma redução no custo do tempo.

4. Atenção. De acordo com a elaborada teoria intrusiva do desejo (Kavanagh, et al., 2005), quanto mais atenção a pessoa der a um estímulo recompensador (por exemplo, alimentos altamente calóricos), mais provável será que ele experimente o desejo. À medida que a pessoa mentalmente elabora seus desejos, é mais provável que eles gerem razões de apoio que permitam que eles (licenciam) eles se entreguem (por exemplo, eu não tomei uma bebida por um tempo). Nos casos extremos, o desejo pode sobrecarregar a memória de trabalho que afasta todos os outros objetivos opostos de autocontrole.

5. Priming efeito. Este gatilho significa que uma pequena dose da droga, administrada a um ex-viciado em abstinência, pode iniciar imediatamente o desejo (como afirma o anúncio Lays Potato: Você não pode comer apenas um!). Isso também explica por que comer pão fresco ou biscoitos faz você desejar e comer mais.

6. Estresse Finalmente, o estresse pode desempenhar um papel destrutivo no desencadeamento dos desejos. O estresse diário pode prejudicar o córtex pré-frontal, a função executiva do cérebro, como concentração, planejamento e julgamento. Como resultado, os adictos perdem a capacidade de refletir (regular o comportamento), e os impulsos assumem um controle mais forte sobre seus comportamentos (Marlatt e Donovan, 2005). Os viciados são frequentemente lembrados de que não se colocam em certas situações em que não serão capazes de resistir à tentação de consumir.

Referências

Skog, OJ. (2003) Álcool e acidentes fatais no Canadá 1950-1998. Addiction, 98, 883-893.

Gu X, Lohrenz T, R Salas, Baldwin PR, Soltani A, Kirk U, PM Cinciripini, Montague PR. (2016). A crença sobre a nicotina modula o desejo subjetivo e a atividade da ínsula em fumantes carentes. Psiquiatria Frente. 13: 7: 126.

Kavanagh, DJ, Andrade, J. & May, J. (2005). Prazer imaginário e tortura requintada: A teoria da intrusão elaborada do desejo. Psychological Review, 112 (2), 446-467.

Marlatt, GA, Donovan, DM (Eds.), 2005. Prevenção de recaída: Estratégias de manutenção no tratamento de comportamentos aditivos, segunda ed. Guilford Press, Nova York, NY.

Goleman Daniel (2004), Emoções Destrutivas: Um Diálogo Científico com o Dalai Lama. Bantam

Tiffany, ST (1999) Conceitos cognitivos de desejo, Alcohol Health and Research, 23, 215-224.

Sábio, RA O cérebro e recompensa. Em: Liebmanand, JM .; Cooper, SJ., Editores. A Base Neurofarmacológica da Recompensa. Oxford: Oxford University Press; 1989. p. 377-424.

Tiffany ST, Wray JM. (2011) O significado clínico do desejo por drogas. Ann NY Acad Sci.; 1248: 1-17

  • 7 maneiras de determinar a capacidade do seu parceiro para enganar você
  • 4 maneiras de álcool pode arruinar suas férias
  • Transtorno do Comportamento Sexual Compulsivo na CID-11
  • Um novo panorama sobre o tratamento de vícios e compulsões
  • Como melhorar o sentido de sua vida e vida em geral
  • O papel da negação no vício
  • Habilidades de comunicação que melhoram a conexão com seus filhos
  • Os escritores são tão estranhos como são feitos para aparecer?
  • Você pode viver sem o seu smartphone?
  • Selfitis: Notícias falsas ou doença mental?
  • Coração Puro, Voz Grande
  • O seu terapeuta está prestando cuidados paliativos?
  • 6 sinais de desordem de jogo
  • Pode Upskirting ser viciante?
  • Abraçando nossos lados escuros
  • Como funciona a terapia (2): o poder dos pequenos momentos 'A-ha'
  • Entendendo o cérebro racista
  • 3 conversas que poderiam mudar seu Outlook na vida em 1 hora
  • A elegia de um psiquiatra para Anthony Bourdain
  • A onda de financiamento para as startups de neurociência
  • Crença no livre-arbítrio como preditor de sucesso no autocontrole
  • Amor romântico tóxico
  • Bandeiras vermelhas e pontos cegos em namoro um narcisista
  • Você está tomando muitas selfies?
  • Anoréxicos e Bulímicos Anônimos: Faz sentido?
  • O desafio do selo negativo
  • Tecnologia projetada para dependência
  • Felicidade é um lugar?
  • Entendendo o cérebro racista
  • O ressurgimento do nacionalismo
  • Três dicas sobre a atenção plena de um psiquiatra budista
  • "Popularidade" do ensino médio pode sair pela culatra ao longo do tempo
  • A ascensão - e ascensão - do uso problemático de mídias sociais
  • A geração mais nova está indo bem
  • Sobrevivendo à crise da overdose
  • Trinta segundos