Pensamento incorporado

A incorporação é atualmente um tópico quente em psicologia e filosofia, por boas razões. O pensamento é fortemente influenciado por processos fisiológicos envolvidos na percepção e emoção. A incorporação é uma extensão útil às teorias cognitivas que explicam o pensamento em termos de representações mentais, mas não uma teoria alternativa.

Desde a década de 1960, a abordagem dominante da psicologia cognitiva tem sido explicar diferentes tipos de pensamento em termos de procedimentos computacionais que operam em representações mentais. Tais representações incluem não apenas verbais, como conceitos semelhantes a palavras e proposições semelhantes a sentenças, mas também imagens visuais e redes neurais. Na última década, um número crescente de pesquisadores em psicologia e filosofia argumentaram que a abordagem padrão negligenciou o importante papel que os corpos humanos desempenham na cognição. Nossos conceitos não são como as estruturas verbais e matemáticas que são fáceis de representar nas linguagens informáticas atuais, mas combinam vários tipos de informações perceptivas que dependem dos sistemas sensoriais que operam nos nossos corpos. Psicólogos como Larwrence Barsalou forneceram provas experimentais de que os conceitos são partes dos sistemas de símbolos perceptivos. Por exemplo, seu conceito de carro é muito mais do que uma descrição verbal de carros típicos, pois também pode incluir informações sensoriais sobre como os carros se parecem, som, cheiro e sensação.

A pesquisa sobre emoção também fornece evidências de encarnação. O pensamento é inseparável da emoção, e a emoção envolve mudanças fisiológicas no batimento cardíaco, respiração, resposta da pele, níveis hormonais, e assim por diante. Ao invés de uma distração da cognição efetiva, a emoção é crucial para fornecer estimativas de valor e motivações para atuar. As emoções não são apenas julgamentos abstratos sobre a relevância das situações para nossos objetivos, mas também exigem a reação do cérebro às mudanças corporais.

É importante, no entanto, não exagerar a importância da encarnação e lançar os muitos insights que a abordagem computacional-representacional do pensamento proporcionou. As baratas estão encarnadas também, mas não são muito inteligentes. Precisamos distinguir a tese de incorporação moderada de que a linguagem e o pensamento são moldados por ação incorporada da tese de encarnação extrema de que o pensamento é apenas uma ação incorporada que não exige representação e computação. A visão extrema foi defendida por filósofos heideggerianos e por alguns psicólogos que afirmam que o cérebro é um sistema dinâmico, mas não computacional. O cérebro é inegavelmente um sistema dinâmico, mas também são galáxias e ecologias que não têm a capacidade de pensar. Explicar como as pessoas podem resolver problemas, fazer inferências e usar linguagem requer apreciação de procedimentos computacionais altamente sofisticados para manipular representações. Daí a acumulação de evidências para o papel do corpo na percepção e emoção suporta a tese de incorporação moderada, e não a extrema.

Em outro post, eu defendi uma visão de emoção que combina avaliação cognitiva e percepção fisiológica. A emoção é muito sutil para ser apenas uma reação às mudanças corporais. Existem centenas de diferentes palavras de emoção em inglês, e as emoções não podem ser diferenciadas sozinhas pela fisiologia. A avaliação cognitiva é necessária para as diferenças entre as emoções básicas, como medo e raiva, e especialmente para as diferenças entre as emoções sociais, como orgulho, arrogância, constrangimento, vergonha e culpa. Por isso, a encarnação deve ser vista como um aspecto importante do pensamento humano, não como toda a história.

Related of "Pensamento incorporado"