Política: medo e por que a festa do chá desaparecerá

O Tea Party está em uma fase quente ultimamente o que com as vitórias primárias republicanas de Rand Paul em Kentucky e Sharron Angle em Nevada. E a conversa entre muitos é que o Tea Party terá um impacto transformador nas próximas eleições de meio termo e será uma força duradoura na política americana nos próximos anos.

O movimento do Tea Party é tipicamente visto como uma revolta populista alimentada por uma raiva ideológica contra um governo federal que muitos acreditam que não representa mais as necessidades e os desejos do povo americano. Ele protesta contra as políticas do nosso governo que, de acordo com suas doutrinas, restringem a liberdade individual, violam a Constituição, regulam ilegalmente a economia e impõem os cidadãos de forma injusta. O Tea Party acredita que a América foi tirada dela, portanto, o lema de fato é "Take back America".

O estereótipo do Tea Partiers, reforçado pelos muitos cartazes mal escritos vistos nos protestos, não tem educação, de baixa renda e do sul. No entanto, as pesquisas mostram que o típico partidário do Tea Party é, sim, branco, mas também mais antigo, educado e de renda acima da média. Esse demográfico surpreendente levou-me a uma análise decididamente contrária da fonte da energia do Tea Party e seu papel futuro na política americana.

Eu argumentaria que o Tea Party terá um impacto decrescente em nossa cena política nos próximos anos. Na verdade, acredito que a festa do chá terá uma influência apenas menor nas eleições de meio termo (e essa influência beneficiará os democratas) e uma presença prolongada na cena política por alguns anos. Mas eu prevejo que o Tea Party irá, lentamente, sem parar, desaparecer na inexistência da próxima década. (Isenção de responsabilidade: as previsões são certamente fáceis de fazer porque, como sabemos do National Enquirer e esboços de esportes profissionais, ninguém nunca segue para ver se as previsões se tornaram realidade).

Eu ofereço essa previsão porque acredito que o nascimento e a popularidade do Tea Party se baseiam mais na psicologia do que nas crenças políticas.

A maioria das pessoas pensa em raiva quando descreve a Tea Party. Mas não é, em minha opinião, o que impulsiona o movimento. A raiva é realmente uma resposta defensiva e protetora desencadeada pela reação de luta ou fuga que evoluiu desde que nos erguemos da mata primordial há tantos eons atrás. Seu propósito? Para garantir a nossa sobrevivência quando ameaçada. E, com tanta incerteza cultural, instabilidade econômica e conflito político no mundo, muitos americanos se sentem profundamente ameaçados. Então, o que está subjacente à raiva expressa tão fortemente por Tea Partiers é medo.

Então, esse medo é esse?

Voltemos ao demográfico do Tea Party: branco, mais velho, educado e de renda mais alta. Pense no mundo em que eles foram criados e viveram a maioria de suas vidas. Era seguro, seguro, familiar e, sim, homogêneo. Eles coletivamente mantiveram o poder e tiveram a voz mais alta. Eles estavam no comando.

Agora, veja o que está acontecendo com seu mundo; Está mudando drasticamente de muitas maneiras. Os membros do Tea Party são confrontados com uma nova ordem mundial que é compreensivelmente inquietante para eles. O 11 de setembro criou um mundo que é agora, pelo menos aos olhos de muitos, mais perigosos e imprevisíveis do que nunca. A imigração e a crescente diversidade que não tinham sido tão evidentes no estrato em que viviam durante a maior parte de suas vidas estão agora em seus bairros, escolas e locais de trabalho. As crises econômicas em série da última década causaram um grau de insegurança financeira que ameaça seu futuro. E esse mundo em mudança não é mais óbvio do que no novo residente da Casa Branca.

Os partidários do Tea Party já não têm poder exclusivo. Suas vozes carregam menos influência do que uma vez. Eles têm menos controle sobre suas próprias vidas e o mundo em que vivem há tantos anos.

Agora voltemos ao lema do Tea Party, "Retirar a América". Muitas pessoas interpretam isso para significar tirá-lo de quem os tirou, obviamente imigrantes e pessoas de cor (assim, os gritos de racismo). Mas acredito que o que está no centro de sua mensagem é o desejo nostálgico de levar a América de volta àquele tempo anterior, quando a vida era mais simples, mais familiar, segura e controlável, quando não tinham necessidade de temer.

Outro medo que eu acredito subjacente à raiva que o movimento do Tea Party expressa em relação ao nosso governo é que ninguém pode protegê-los dos conflitos significativos e contínuos que experimentamos durante a última década. As pessoas comuns têm e continuam a sofrer poderosamente de múltiplas crises financeiras e, mais recentemente, a tragédia da mina da Virgínia Ocidental e o desastre da BP. Os americanos sempre confiaram em seu governo para protegê-los de tais danos (e fez um bom trabalho por muito tempo), mas falhou repetidamente nos últimos tempos. Não importa que o Big Business, não o nosso governo, tenha sido responsável por esses eventos catastróficos. Os Tea Partiers não esperam que Big Business se preocupe com eles, muito menos agem em seu melhor interesse, então eles não os responsabilizam. Mas nosso governo deve se preocupar com nós e agir em nosso melhor interesse, mas nos decepcionou. Então, esse medo se transformou em raiva em relação ao nosso governo porque é melhor sentir raiva e luta do que sentir medo e fuga.

Essas observações me trazem de volta à minha tese original de que a Tea Party desaparecerá lentamente. Por quê? Porque a geração desses Tea Partiers está envelhecendo e estará enferma ou morta dentro de 20 anos. E as próximas gerações não serão dominadas por esse medo do mundo em mudança porque não conhecem nenhum outro mundo. Eles foram criados neste mundo diverso, incerto e muito louco. Todas as mudanças são simplesmente a vida como elas sabem, então não tem nada a temer. E com essa ausência de medo, o Tea Party perderá seu propósito e energia e se tornará simplesmente uma nota de rodagem interessante, porém de curta duração, na história política americana.

Pelo menos essa é a minha previsão. Alguns concordarão comigo e outros não concordarão. Mas ninguém saberá com certeza até que a história nos diga.

  • Uma nova abordagem para o bullying escolar: Elimine sua raiva
  • O Coração da Escuridão na Faculdade Estadual
  • Quando a má ciência mata
  • Mary Kennedy: Tragédia do transtorno de personalidade limítrofe
  • Pokémon pode reduzir a solidão?
  • Que Filhas Não-Amadas Se Erraram com a Vida
  • Terapia em seu pijama
  • Problemas de anexos parentais
  • Ficar bem não é fácil
  • Não corra, não congele, apenas fique ... e respire
  • A traição da confiança pode resultar em lesões morais
  • O filme novo da Disney Pixar nos ensina sobre emoções
  • Corra por sua vida para melhorar sua saúde mental
  • O Problema do Desejo
  • O que fazer quando o seu adolescente passou por trinta dias sem falar com você
  • Acontecimento fora da moda para os enlutados
  • A única melhor sugestão antes de dar seu coração a alguém
  • Grandparents and Grandkids: os perigos do amor de longa distância
  • O que ignora e alimenta o terrorismo?
  • Casais: superando o falso impedimento
  • Horas de dormir
  • Ria seu caminho para um pacote de seis (mental e fisicamente)
  • O desafio do bardo na vida cotidiana
  • Mais da nossa bagagem pessoal
  • O que é a Justiça
  • Fotografia Documentando Doenças Mentais Desenha Crítica
  • Lutando para fora
  • Educação: STAMPER não STEM para Reforma da Educação Pública
  • Votando pela Varinha Mágica, ou a Vitória Fatal de Trump
  • Sublime Stretching
  • Lama Inteligente
  • Quando seu novo amor desencadeia conflitos com filhos adultos
  • A Psicologia da Linguagem Corporal
  • Que vergonha
  • 5 segredos para amar seu filho incondicionalmente
  • Wrestling With Demons: a redenção espiritual de Mickey Rourke