Por que a paciência é poder

Wikicommons
Fonte: Wikicommons

A paciência pode ser considerada como um problema de tomada de decisão: coma todo o grão hoje ou o plante na terra e espere que ele se multiplique. Infelizmente, os seres humanos evoluíram não como fazendeiros, mas como caçadores-coletores, e têm uma forte tendência para descontar as recompensas de longo prazo. Nossa mímica ancestral é confirmada pelo experimento Stanford Marshmallow, uma série de estudos sobre a gratificação tardia liderada por Walter Mischel no final da década de 1960 e início da década de 1970. Esses estudos, realizados em centenas de crianças de quatro e cinco anos de idade, envolveram uma simples escolha binária: coma esse marshmallow, ou segure por 15 minutos e receba um segundo marshmallow. Tendo explicado esta escolha a uma criança, o experimentador deixou-o sozinho com o marshmallow por 15 minutos. Estudos de acompanhamento realizados ao longo de 40 anos descobriram que a minoria das crianças que conseguiram aguentar um segundo marshmallow passou a ter resultados de vida significativamente melhores, incluindo pontuações de teste mais altas, melhores habilidades sociais e menos uso indevido de substâncias.

Mesmo assim, a paciência envolve muito mais do que a mera capacidade de reter para algum ganho futuro. Exercitar paciência (observe o uso do verbo 'para exercitar') pode ser comparado a fazer dieta ou cultivar um jardim. Sim, a espera está envolvida, mas também é necessário ter um plano e, além disso, trabalhar nesse plano. Assim, quando se trata de outros, a paciência não equivale a mera restrição ou tolerância, mas a um envolvimento cúmplice em sua luta e bem-estar. Por isso, a paciência é uma forma de compaixão, que, ao invés de desconsiderar e alienar as pessoas, as transforma em amigos e aliados.

Se a impaciência implica impotência, a paciência implica o poder, o poder nascido do entendimento. Ao invés de nos tornar um rem da fortuna, a paciência nos livra da frustração e dos seus males, nos entrega ao momento presente e nos proporciona a calma e a perspectiva de pensar, dizer, e fazer a coisa certa no caminho certo à direita tempo – e é por isso que, com psicoterapia, pacientes e terapeutas podem exigir vários anos juntos. Por último, mas não menos importante, a paciência nos permite alcançar coisas que de outra forma seriam impossíveis de alcançar. Como disse La Bruyère: "Não há estrada demais para o homem que avança deliberadamente e sem pressa indevida; não há honras muito distantes para o homem que se prepara para eles com paciência ". Exercitar a paciência não significa nunca protestar ou desistir, mas apenas fazendo isso de uma forma considerada: nunca impetuosamente, nunca petuamente, e nunca sem sentido. Tampouco significa recusar, assim como envelhecer um caso de vinho fino durante vários anos, não significa reter o vinho durante todo esse tempo. A vida é muito curta para esperar, mas não é muito curta para a paciência.

A paciência é muito mais fácil, talvez até agradável, exercitar se alguém realmente entende que pode e consegue resultados muito melhores, não apenas para nós mesmos, mas para outros também. Em 2012, pesquisadores da Universidade de Rochester replicaram a experiência de marshmallow. No entanto, antes de fazê-lo, eles dividiram as crianças participantes em dois grupos, expondo um grupo a experiências pouco confiáveis ​​sob a forma de promessas quebradas e o outro a experiências confiáveis ​​sob a forma de promessas honradas. Eles posteriormente descobriram que as crianças expostas a promessas honradas esperavam uma média de quatro vezes mais do que as crianças expostas a promessas quebradas.

Em outras palavras, a paciência é em grande parte uma questão de confiança, ou, alguns podem dizer, fé.

Neel Burton é autor de Heaven and Hell: The Psychology of the Emotions e outros livros.

Encontre Neel Burton no Facebook e no Twitter.

Neel Burton
Fonte: Neel Burton

Related of "Por que a paciência é poder"