Psicologia Explica Resoluções de Ano Novo, Hits e Misses

A psicologia pode explicar por que a maioria das resoluções de ano novo falha e como mantê-las?

Uma nova pesquisa psicológica explica por que a maioria das pessoas falha em suas Resoluções de Ano Novo e sugere uma nova maneira de garantir que você não tenha que fazer as mesmas Resoluções de Ano Novo no próximo ano.

Muitas pesquisas sugerem que somos péssimos em manter as Resoluções de Ano Novo, mas há algo tão emocionalmente ressonante na possibilidade de virar uma nova folha, combinado com nossa consciência de que deveríamos realmente levar uma vida melhor, fazendo com que as Resoluções de Ano Novo sejam quase universais. a atividade, assim como não seguir com eles, é praticamente tão popular.

Pexels. CC0 License ✓ Free for personal and commercial use  ✓ No attribution required

Fonte: Pexels CC0 Licença ✓ ​​Gratuito para uso pessoal e comercial ✓ Nenhuma atribuição exigida

Kaitlin Woolley, da Cornell University, e Ayelet Fishbach, da Universidade de Chicago, acabaram de publicar algumas pesquisas investigando Resoluções de Ano Novo, e encontraram 55,2% de resoluções relacionadas à saúde (exercício: 31,3%, comer saudável: 10,4%, ter hábitos mais saudáveis: 13,5 %), 34,4% estavam relacionados ao trabalho (economizar: 20,8%, sair da dívida: 12,5%, aprender algo: 0%, se organizar: 1,0%), e 5,2% eram metas sociais (passar tempo com a família: 2,1%, ajudar os outros: 0%, aproveite a vida: 3,1%).

O estudo publicado no periódico Personality and Social Psychology Bulletin descobriu que os participantes acreditavam que tanto o prazer quanto a importância eram importantes para o sucesso que teriam em manter sua resolução no futuro.

Ao contrário do que os participantes acreditavam, os pesquisadores descobriram que apenas o prazer previa a persistência a longo prazo. Em outras palavras, cometemos um erro psicológico fundamental ao assumir que vamos nos ater ao plano de atingir o objetivo apenas porque algo é claramente importante para fazer.

Em vez disso, o que realmente importa é o quanto podemos aproveitar nossos esforços iniciais para iniciar um novo, por exemplo, regime de condicionamento físico ou uma mudança na dieta.

Novas perspectivas psicológicas sugerem que precisamos também entender melhor por que tendemos a não cuidar de nós mesmos diariamente, em outras palavras, por que as Resoluções de Ano Novo são necessárias em primeiro lugar?

O professor Seppo Iso-Ahola, do Departamento de Cinesiologia (o estudo do movimento corporal) da Universidade de Maryland, EUA, acaba de publicar uma nova investigação sobre o porquê de sermos tão terríveis nas resoluções de fitness e objetivos de saúde, no Journal. da natureza e da ciência .

A investigação aponta que várias pesquisas sugerem que apenas cerca de um quinto de nós pratica exercício físico suficiente, e ainda nosso estilo de vida, que é controlável por nós, é responsável por 53% das dez principais causas de anos potenciais de vida perdidos antes dos 65 anos.

CC0 Creative Commons Free for commercial use  No attribution required. Pixabay

Fonte: CC0 Creative Commons Grátis para uso comercial Atribuição não requerida. Pixabay

Os outros fatores são o meio ambiente (21,8%), a biologia (16,4%) e o sistema de saúde (9,8%). Em outras palavras, para todo o espaço que os serviços de saúde ocuparam nas manchetes dos jornais no último ano, na verdade, estatisticamente, eles desempenham apenas uma parte de 10% na determinação de nossa saúde antes dos 65 anos.

Se quisermos mudar nosso estilo de vida para melhorar nossas chances de uma vida longa e saudável, o que é necessário em um nível é surpreendentemente simples, segundo o professor Seppo Iso-Ahola. Ele ressalta que o estilo de vida se resume a apenas quatro comportamentos-chave de saúde: exercício físico regular, não fumar, dieta saudável e uso moderado de álcool. De acordo com essa análise, se as pessoas seguissem apenas essas estratégias simples ao longo de suas vidas, elas viveriam, em média, sete anos a mais.

A nova investigação do Professor Seppo Iso-Ahola, intitulada “Processamento Consciente-Não-Consciente Explica porque algumas pessoas exercitam, mas a maioria não faz”, declara que entender por que não damos certo quando deveríamos, resume-se a entender o que acontece quando começamos ter que pensar sobre a decisão de se exercitar.

O quanto dessa decisão envolve uma luta consciente consigo mesmo sobre o que você deve fazer, ao contrário do que você realmente quer fazer, vai prever a probabilidade de você manter sua decisão de aptidão física.

Depois que você começa e começa a estabelecer um conjunto de rotinas de saúde, elas começam a operar abaixo da percepção consciente, de modo que você não precisa pensar muito sobre elas. Então os benefícios do exercício se tornam um ciclo de feedback positivo; atividade física nos faz sentir melhor sobre nós mesmos e melhora diretamente a saúde mental, o bem-estar e a função cerebral.

Por exemplo, aprender novas habilidades motoras, como em um novo esporte, aumenta a massa cinzenta do cérebro. A atividade física aumenta o tamanho do hipocampo, a parte do cérebro dedicada à memória, e assim melhora a função de recordação e pode até retardar ou prevenir a demência.

Então, por que então todos esses benefícios médicos e mentais para um estilo de vida mais ativo não se traduzem em escolhas mais racionais, o que é melhor para nós?

Tudo se resume a uma questão sobre a liberdade de fazer o que queremos em nosso tempo de lazer.

O professor Seppo Iso-Ahola aponta que, para a maioria das pessoas, o exercício diário tem que ser realizado após o trabalho. Portanto, compete com outras atividades de lazer, levando a uma batalha mental na escolha do que você faz com seu tempo livre. Dado que uma sensação de liberdade é a característica definidora do lazer, qualquer coisa que ameace essa sensação de autonomia leva a uma forte resistência psicológica.

O professor Seppo Iso-Ahola afirma que, tipicamente, quando as pessoas chegam em casa do trabalho, é a primeira vez durante o dia em que elas sentem “é a minha hora de fazer o que eu quiser” e, portanto, não querem saber o que fazer (ou seja, você precisa correr). Este é o último momento em que eles querem se envolver em tomar decisões difíceis.

Para praticantes e não praticantes ocasionais, a escolha de se exercitar neste exato momento é mentalmente desgastante e mina sua sensação de liberdade, enquanto outras atividades de lazer comuns (por exemplo, assistir à TV) não o fazem. O resultado é que a “lei do menor esforço” é seguida ao mesmo tempo em que se atende à necessidade fundamental de autonomia, tornando a escolha da batata de sofá um obstáculo psicológico formidável para os que se exercitam em potencial.

O professor Seppo Iso-Ahola argumenta que comportamentos importantes de promoção da saúde, como o exercício, não podem ser percebidos e apresentados como escolhas a serem selecionadas de uma série de atividades de lazer; em vez disso, eles devem ser vistos como atividades que devem ser realizadas independentemente das condições.

O truque psicológico aqui é que o exercício se torne uma “escolha” forçada.

O que isso significa praticamente é referido pelo professor Seppo Iso-Ahola como a construção sistemática de uma “infra-estrutura de exercício”.

Isso pode significar, por exemplo, alterar seu ambiente para que ele encoraje você a fazer exercícios. Pode significar ter suas roupas de ginástica dispostas no sofá para que elas sejam um lembrete desagradável do que você deveria estar fazendo em vez de assistir à TV, ou escolher uma hora do dia em que haja menos concorrência de outras atividades que você prefere fazer – talvez faça exercício logo de manhã ou na hora do almoço. Ou faça com que outras pessoas saiam correndo, de modo que bater na porta torne mais difícil ficar assistindo a TV.

Com um número suficiente de repetições, além desses obstáculos iniciais, os praticantes de exercício físico podem avançar até o ponto em que é feita uma escolha permanente de se exercitar, independentemente de situações cotidianas.

O professor Seppo Iso-Ahola afirma que, uma vez atingido um alto nível de habitualidade, é difícil abandonar os hábitos.

Em suma, os hábitos são muito teimosos.

Isso é bom para praticantes regulares, mas ruim para os ávidos observadores de TV; se os últimos querem se tornar praticantes regulares, precisam se tornar mais conscientes das escolhas que estão fazendo durante seu tempo de lazer e começar a incorporar o novo hábito fazendo com que seu ambiente os force a assumir o novo hábito (oculte o controle remoto) uma vez que o novo hábito tenha sido estabelecido, ficará mais fácil manter a nova rotina, porque esse comportamento pode se tornar uma opção tão inconsciente quanto assistir à TV.

A arte do sucesso nas resoluções de Ano Novo parece ser, segundo o professor Seppo Iso-Ahola, tornar-se mais consciente de seus hábitos e escolhas quando são maus, usar essa consciência elevada para fazer mudanças que são inicialmente difíceis, produzir uma infra-estrutura de exercícios ao seu redor, e se você persistir por tempo suficiente, essas decisões conscientes se tornarão hábitos saudáveis ​​inconscientes.

A outra chave para o sucesso nas Resoluções de Ano Novo vem do outro novo estudo conduzido por Kaitlin Woolley e Ayelet Fishbach, intitulado “Recompensas imediatas Preveem Aderência a Metas de Longo Prazo”.

O estudo encontrou recompensas imediatas, como diversão, previsão de persistência nas resoluções de Ano Novo, enquanto as recompensas atrasadas não o fizeram.

Obter prazeres a curto prazo suficientes a partir de novas mudanças significa que elas podem se tornar hábitos prazerosos em si mesmas. Então, o novo regime de condicionamento físico pode tornar-se um hábito tão inconsciente quanto assistir a TV.

Opte por jogar ténis se gosta de praticar desporto como forma de ficar em forma, em vez de exercitar-se no ginásio, porque parece ser melhor para si a longo prazo. Fazer algo meramente porque parece bom para você, ao contrário de não ter nenhuma recompensa de prazer a curto prazo, é improvável que funcione.

É, portanto, a jornada da decisão consciente para o hábito inconsciente, através da descoberta de novos prazeres em vez de aderir aos antigos habituais, o que é crucial para o sucesso nas Resoluções de Ano Novo.

Referências

Recompensas Imediatas Preveem Aderência a Metas de Longo Prazo. Kaitlin Woolley e Ayelet Fishbach. Boletim de Psicologia da Personalidade e Social 2017 Feb; 43 (2): 151-162

Processamento consciente-não-consciente explica por que algumas pessoas exercitam, mas a maioria não. Seppo E. Iso-Ahola. Jornal da natureza e da ciência (JNSCI), Vol.3, No.6, e384, 2017.

Related of "Psicologia Explica Resoluções de Ano Novo, Hits e Misses"