Quer ser um herói? Abraçar o sofrimento e o sacrifício

"As dificuldades preparam as pessoas comuns para uma vida extraordinária. "- CS Lewis

São evitadas experiências destrutivas de dor e sofrimento, ou são oportunidades para as pessoas desenvolverem uma vida extraordinária? A sabedoria das filosofias espirituais ao longo dos tempos convergiu com a pesquisa psicológica moderna para produzir uma resposta: o sofrimento e o sacrifício oferecem ganhos, vantagens e oportunidades profundas para aqueles que se abrem a tais benefícios.

Nossa revisão da sabedoria obtida da teologia e da psicologia revela pelo menos seis efeitos benéficos do sofrimento. Estes incluem a idéia de que o sofrimento (1) tem qualidades redentoras, (2) significa importantes marcos de desenvolvimento, (3) promove a humildade, (4) eleva a compaixão, (5) incentiva a união e ação social e (6) fornece significado e propósito .

1. O sofrimento é redentor

O budismo nos ensina que o sofrimento é inevitável, mas também pode ser um catalisador para o crescimento pessoal e espiritual. O Buda advertiu que o desejo de iluminação e despertar pede muito daqueles que a buscam. É preciso se voltar para o sofrimento para conquistá-lo. Os budistas se redimiram canalizando a energia total de seus apegos para o mundo físico – a causa de todo sofrimento – em uma preocupação compassiva para os outros.

O cristianismo também abraça o valor redentor do sofrimento. Em primeiro lugar, na tradição judeu-cristã é a idéia de que todo o sofrimento humano decorre da queda do homem (Gênesis 1:31). A peça central do sofrimento no Novo Testamento é, é claro, o retrato da paixão de Cristo através dos Evangelhos sinópticos. Para os cristãos, o sofrimento de Cristo serviu o propósito de redimir nada menos que a raça humana inteira, elevando Jesus no papel do líder espiritual consumado do mundo ocidental nos últimos dois milênios.

Nosso trabalho anterior sobre a psicologia do heroísmo identificou a transformação pessoal através da luta como uma das características definidoras da liderança heróica. Nelson Mandela, por exemplo, suportou 27 anos de prisão severa antes de assumir a presidência da África do Sul. A habilidade de Mandela de prevalecer depois de um sofrimento de longo prazo tornou-o um herói inspirador em todo o mundo. Desmond Tutu opinou que o sofrimento de Mandela "ajudou a purificá-lo e crescer a magnanimidade que se tornaria sua marca registrada".

No campo da psicologia positiva, os estudiosos reconheceram o papel do sofrimento no desenvolvimento de forças saudáveis ​​de caráter. A psicologia positiva reconhece os efeitos benéficos do sofrimento através dos princípios do crescimento pós-traumático, crescimento relacionado ao estresse, ajuste positivo, adaptação positiva e crescimento contraditório.

Um estudo das forças de caráter medidas antes e depois dos ataques terroristas de 11 de setembro mostrou um aumento na "fé, esperança e amor" das pessoas. O desenvolvimento redentor da esperança, da sabedoria e da resiliência como resultado do sofrimento contribuiu para a excelência da liderança de figuras como Helen Keller, Aung San Suu Kyi, Mahatma Gandhi, Malala Yousafzai, Stephen Hawking, Franklin D. Roosevelt, Shiva Nazar Ahari, Oprah Winfrey, JK Rowling e Ludwig van Beethoven, entre outros.

2. O sofrimento significa um ponto necessário "Crossover" na vida

Os psicólogos que estudam o desenvolvimento da vida útil sabem há muito tempo que os seres humanos atravessam vários estágios de maturação desde o nascimento até a morte. Cada emaranhamento necessário na jornada humana representa um progresso doloroso para se tornar plenamente humano, cada uma delas uma oportunidade para que as pessoas alcancem o objetivo da totalidade. De acordo com Erik Erikson, as pessoas devem negociar com êxito uma crise específica associada a cada estágio de crescimento. Se mal administrado, a crise pode produzir sofrimento, e esse sofrimento produz a motivação necessária para a progressão para o estágio subseqüente.

Erikson foi o primeiro psicólogo a descrever as causas e conseqüências da "crise da meia-idade". De acordo com Erikson, as pessoas de meia idade muitas vezes lutam para encontrar o propósito ou significado na vida, particularmente depois que seus filhos deixaram a casa. A única maneira de avançar é esculpir uma vida de generatividade desinteressada. Um indivíduo generativo é caritativo, comunal, socialmente conectado e disposto a uma sociedade abnegadamente melhor. A generatividade é o único antídoto para a crise da meia-idade. Os indivíduos generativos estão entre os bens humanos mais valiosos da sociedade; eles são freqüentemente chamados de anciãos ou heróis da sociedade.

Um tema recorrente na literatura mundial é a idéia de que as pessoas devem cair em profundidades físicas e emocionais antes de poderem ascender a novas alturas. Em Odyssey, o herói Odysseus desce para Hades, onde ele encontra o profeta cego Tireseas. Somente neste ponto mais baixo, nas profundezas do submundo, Odisseu recebeu o dom de uma visão sobre como se tornar o sábio governante de Ítaca. O Credo dos Apóstolos fala de Jesus descendo para o inferno antes de sua ascensão ao céu. De alguma forma, o (s) autor (es) do credo consideraram absolutamente necessário que Jesus caísse antes de poder "se levantar" dos mortos.

Nas tradições religiosas orientais, como o hinduísmo, encontra-se a idéia de que o sofrimento segue naturalmente da comissão de atos imorais na vida atual ou passada. Este tipo de karma envolve a aceitação do sofrimento como uma consequência justa e como uma oportunidade para o progresso espiritual.

A mensagem é clara: devemos morrer, ou alguma parte de nós deve morrer, antes de podermos viver, ou pelo menos avançar. Se resistismos que morrer – e a maioria de todos nós fazemos – resistimos o que é bom para nós e, portanto, trazemos o nosso próprio sofrimento. O psicanalista Carl Jung observou que "o fundamento de todas as doenças mentais é evitar o verdadeiro sofrimento".

Paradoxalmente, se evitamos o sofrimento, evitamos o crescimento. As pessoas que resistem a qualquer tipo de morrer experimentarão o sofrimento necessário. Aqueles que resistem ao sofrimento estão mal equipados para servir como líderes da sociedade. Nossos líderes mais heróicos, como Nelson Mandela, foram "através do fogo" e ganharam assim a sabedoria e a maturidade para liderar sabiamente.

3. O sofrimento encoraja a humildade

As tradições espirituais de todo o mundo enfatizam que, embora a vida possa ser dolorosa, um poder superior está em ação usando nossas circunstâncias para humilhar-nos e moldar-nos no que ele, ela ou quer que sejamos. CS Lewis já notou: "Deus nos sussurra nos nossos prazeres, nos fala em nossa consciência, mas grita nas nossas dores: é o seu megafone para despertar um mundo surdo". Richard Rohr opina que o sofrimento "não realiza nada tangível mas cria espaço para aprender e amar. "O sofrimento tem o propósito de nos humilhar e nos despertar do sonho da auto-suficiência.

A humildade é um passo importante para a "recuperação" em programas de doze passos, como Alcoólicos Anônimos, Overeaters Anonymous, Gambler's Anônimo e Al-Anon. O Passo 1 pede aos participantes desses programas que admita sua total impotência em relação ao seu vício. O princípio espiritual no trabalho aqui é a idéia de que a vitória só é possível através da admissão da derrota. Richard Rohr argumenta que somente quando as pessoas atingem os limites de seus recursos privados, eles se tornam dispostos a explorar o "recurso final" – Deus, Allah, o universo ou algum poder maior que eles mesmos.

Em programas de doze passos, a dor, a miséria e o desespero se tornam as chaves da recuperação. O Passo 7 pede aos membros do programa que "perguntem humildemente a Deus" para remover defeitos pessoais de caráter (itálico adicionado). Essa humildade só pode ser realizada ao admitir a derrota pela primeira vez e depois aceitar que não se pode recuperar do vício sem o auxílio de um poder superior. No final, servir abnegadamente os outros – Passo 12 – é fundamental para manter a própria sobriedade e recuperação.

4. O sofrimento estimula a compaixão

O sofrimento também invoca a compaixão por aqueles que estão doendo. Todas as principais tradições espirituais enfatizam a importância do consolo, do alívio e do alcance de si mesmo para o sofrimento. Budista usa duas palavras em referência à compaixão. O primeiro é o karuna, que é a vontade de suportar a dor de outro e praticar bondade, carinho e gentileza para com aqueles que sofrem. O segundo termo é metta, que é uma bondade e amor altruísta, sem qualquer apego egoísta.

As referências bíblicas à compaixão abundam. De acordo com Tiago 1:27, "A religião que é pura e imaculada diante de Deus, o Pai, é esta: visitar órfãos e viúvas na sua aflição". Em Marcos 6:34: "Quando desembarcou, viu uma grande multidão, e ele teve compaixão deles, porque eram como ovelhas sem pastor. E ele começou a ensinar-lhes muitas coisas. "Para Jesus, a compaixão pelos pobres, os doentes, os famintos, os desvestidos, os viúvos, os presos e os órfãos estavam no cerne da sua liderança heróica.

Os psicólogos descobriram que apenas conseguir que as pessoas pensem sobre o sofrimento de outros ativa o nervo vago, que está associado à compaixão. Ter pessoas que lêem histórias edificantes sobre o sacrifício aumentam a empatia no mesmo grau que vários tipos de práticas espirituais, como a contemplação, a oração, a meditação e a ioga. Estar afastado em um belo cenário natural também parece incentivar uma maior compaixão. Os sentimentos de admiração e maravilha sobre o universo e o milagre da vida podem aumentar a simpatia e a compaixão.

Ser rico e poderoso também pode prejudicar as respostas empáticas. Em uma série de estudos fascinantes, os pesquisadores observaram o comportamento dos motoristas em uma interseção ocupada de quatro vias. Eles descobriram que os motoristas de carros de luxo eram mais propensos a cortar outros motoristas em vez de esperar sua vez no cruzamento. Os motoristas de carros de luxo eram mais propensos a superar um pedestre tentando usar um calçada em vez de deixar o pedestre atravessar a estrada. Em comparação com os participantes da classe baixa e média, os participantes ricos também apresentaram pouca alteração na freqüência cardíaca ao assistir a um vídeo de crianças com câncer.

Esses dados sugerem que pessoas mais poderosas e ricas são menos propensas a mostrar compaixão pelos menos afortunados do que os fracos e os pobres. Os líderes heróicos são de alguma forma capazes de se proteger contra deixar o poder de sua posição comprometer seus valores de compaixão e empatia para os menos afortunados.

5. O sofrimento promove a união social e ação coletiva

Sigmund Freud escreveu: "Nós nunca estamos tão indefesos contra o sofrimento como quando amamos, nunca tão desamparadamente infelizes como quando perdemos nosso objeto de amor ou seu amor". É claro que Freud considerava as relações sociais como a causa do sofrimento. Em contraste, a visão espiritual do sofrimento reflete a posição oposta, a saber, que o sofrimento é realmente a causa de nossas relações sociais. O sofrimento reúne as pessoas e é muito melhor do que alegria na criação de vínculos entre os membros do grupo.

O psicólogo Stanley Schachter disse aos participantes da pesquisa que estavam prestes a receber choques elétricos dolorosos. Antes de participar do estudo, eles foram convidados a escolher uma das duas salas de espera para se sentar. Os participantes prestes a receber choques eram muito mais propensos a escolher a sala de espera com pessoas nele em comparação com a sala vazia. Schachter concluiu que a miséria adora a companhia.

Schachter, então, deu um passo adiante e pediu a um grupo diferente de participantes, também prestes a receber os choques, se eles preferissem esperar em uma sala com outros participantes que estavam prestes a receber choques, ou um quarto com participantes que não receberiam choques. Schachter descobriu que os participantes prestes a receber choques preferiam muito a sala com outros que iriam compartilhar o mesmo destino. Sua conclusão: a miséria não ama nenhum tipo de empresa; A miséria ama a companhia miserável.

Líderes eficazes intuitivamente sabem como usar o sofrimento para reunir pessoas por trás de uma causa. Essa habilidade de liderança pode ser usada para atingir os fins do mal, como quando Adolf Hitler despertou o povo alemão para a ação depois que sua nação sofreu após a primeira guerra mundial. A liderança que usa o sofrimento para alcançar um propósito moral ou superior pode ser dita liderança heróica. Winston Churchill e Franklin D. Roosevelt eram mestres em capitalizar o sofrimento dos cidadãos britânicos e americanos para reforçar a resiliência e o moral em grupo. O sofrimento pode ser a cola que se liga e cura depois de tudo aparentemente quebrado.

O sofrimento também pode mobilizar pessoas. O sofrimento dos americanos empobrecidos durante a Grande Depressão permitiu a Franklin Roosevelt implementar suas políticas e programas do New Deal. Mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, ele e Churchill citaram o sofrimento de cidadãos e soldados para promover o racionamento de açúcar, manteiga, carne, chá, biscoitos, café, leite enlatado, lenha e gasolina.

Na América do Norte, os afro-americanos foram subjugados por europeus americanos por séculos, e desse sofrimento emergiram a liderança heróica de Rosa Parks, Martin Luther King, Jr. e Jesse Jackson, entre outros. O sofrimento das mulheres inspirou Susan B. Anthony, Elizabeth Cady Stanton e uma série de outros ativistas heróicos para promover o movimento de sufrágio feminino.

6. O sofrimento instila significado e propósito

O sexto e último benefício do sofrimento reside no significado e propósito que o sofrimento transmite ao sofredor. Muitas tradições espirituais destacam o papel do sofrimento ao conferir um sentido de significado e valor à vida. No Islã, os fiéis são convidados a aceitar o sofrimento como vontade de Deus e a submeter-se a ele como prova de fé. Os seguidores são avisados ​​para evitar questionar ou resistir ao sofrimento; um simplesmente o aguarda com a certeza de que Allah nunca pede mais do que um pode lidar.

Para os cristãos, inúmeras passagens escriturais enfatizam o discernimento da vontade de Deus para entender o sofrimento ou o desespero. O sofrimento é dotado de significado quando está ligado a uma percepção de um chamado divino na vida de alguém ou a crença de que todos os eventos podem ser usados ​​para cumprir o propósito maior e misterioso de Deus.

Friedrich Nietzche já observou que "viver é sofrer, sobreviver é encontrar algum significado no sofrimento". O sobrevivente do psiquiatra e do campo de concentração, Viktor Frankl, sugeriu que a busca do significado transforma o sofrimento em uma experiência positiva que altera a vida: "De alguma forma, o sofrimento deixa de sofrer no momento em que encontra um significado, como o significado de um sacrifício … . É por isso que o homem está pronto para sofrer, com a condição, com certeza, de que seu sofrimento tem um significado "(145). Parece que a busca do significado não só alivia o sofrimento; A ausência de significado pode causar sofrimento.

A capacidade de derivar o significado do sofrimento é uma marca característica do heroísmo em mitos e lendas. O mitólogo comparativo Joseph Campbell (1949) descobriu que todos os grandes contos de heróis de todo o mundo compartilham uma estrutura comum, que Campbell chamou de monômio do herói. Um componente chave do monomyth é a habilidade do herói de suportar o sofrimento e triunfar sobre ele. Os heróis descobrem ou recuperam uma qualidade interna importante que desempenha um papel fundamental na produção de uma transformação pessoal que permite que o herói aumente sobre o sofrimento e prevalecer.

O sofrimento é um dos muitos fenômenos recorrentes encontrados em contos de heróis clássicos. Outros fenômenos endémicos aos contos de heróis incluem amor, mistério, eternidade, infinito, deus, paradoxo, significado e sacrifício. Richard Rohr chama esses fenômenos de experiências transracionais. Uma experiência é considerada transracional quando desafia a análise lógica e só pode ser entendida (ou melhor entendida) no contexto de uma boa narrativa. Podemos entender melhor o significado subjacente do sofrimento em uma história efetiva.

O poeta lendário William Wordsworth deve ter sido intuitivamente consciente da natureza transracional do sofrimento, do sacrifício e do infinito quando escreveu a seguinte linha: "O sofrimento é permanente, obscuro e escuro, e compartilha a natureza do infinito". Joseph Campbell conectou a pontos entre o sofrimento ea busca das pessoas pelo significado. Segundo Campbell, a jornada do herói é "o mito fundamental que une a aventura espiritual de heróis antigos com a busca moderna do significado".

Conclusão

Para um indivíduo ou um grupo avançar ou progredir, algo que é desagradável deve ser suportado (sofrimento) ou algo agradável deve ser desistido (sacrifício). Os líderes mais eficazes e inspiradores da humanidade sofreram um imenso sofrimento, fizeram sacrifícios angustiantes, ou ambos. O sofrimento e o sacrifício desses líderes os separam das massas de pessoas que negam, criticam ou desafiam essas experiências aparentemente desagradáveis.

Grandes líderes heróicos entendem que o sofrimento redime, aumenta, define, humilha, eleva, nos mobiliza e enriquece. Esses líderes iluminados não só se recusam a permitir sofrimento e sacrifício para vencê-los; eles usam o sofrimento e o sacrifício como recursos para serem extraídos por vantagens psicológicas e inspiração. Indivíduos que inspecionam exitosamente os tesouros espirituais do sofrimento e do sacrifício têm a sabedoria e a maturidade para evoluir para os líderes mais transcendentes da sociedade.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Este artigo é baseado em um capítulo de autoria de Scott Allison e Gwendolyn C. Setterberg, que será publicado em "Frontiers in Spiritual Leadership: Descobrindo os melhores anjos da nossa natureza", no início de 2016. A referência exata para o artigo é:

Allison, ST, & Setterberg, GC (2016). Sofrimento e sacrifício: benefícios individuais e coletivos, e implicações para a liderança. Em Allison, ST, Kocher, CT e Goethals, GR (Eds), Frontiers in Spiritual Leadership: Descobrindo os melhores anjos da nossa natureza. Nova York: Palgrave Macmillan.

Bibliografia

Allison, ST, & Cecilione, JL (2015). Verdades paradoxais na liderança heróica: Implicações para o desenvolvimento e a eficácia da liderança. Em R. Bolden, M. Witzel, & N. Linacre (Eds.), Paradoxos de liderança. Londres: Routledge.

Allison, ST, Eylon, D., Beggan, JK, & Bachelder, J. (2009). A morte da liderança: positividade e negatividade nas avaliações de líderes mortos. The Leadership Quarterly, 20, 115-129.

Allison, ST, & Goethals, GR (2008). Decidiendo os mortos e oprimidos: figuras simpatizantes como líderes inspiradores. Em CL Hoyt, GR Goethals, & DR Forsyth (Eds.), Liderança na encruzilhada: Psicologia e liderança. Westport, CT: Praeger.

Allison, ST, & Goethals, GR (2014). "Agora ele pertence aos tempos": a liderança heróica dinâmica e profundas narrativas da grandeza. Em Goethals, GR, Allison, ST, Kramer, R. e Messick, D. (Eds.), Concepções de liderança: idéias duradouras e percepções emergentes. Nova York: Palgrave Macmillan.

Campbell, J. (1949). O herói com mil rostos. Biblioteca do Novo Mundo.

Cambpell, J. (1971). Homem e Mito: uma conversa com Joseph Campbell. Psicologia Hoje, julho de 1971.

Diehl, U. (2009). O sofrimento humano é um desafio para o significado da vida. Revista Internacional de Filosofia, Religião, Política e Artes, 4 (2).

Frankl, V. (1946). A busca do homem pelo significado. Nova York: Beacon Press.

Goethals, GR & Allison, ST (2012). Fazendo heróis: a construção de coragem, competência e virtude. Avanços na Psicologia Social Experimental, 46, 183-235. doi: 10.1016 / B978-0-12-394281-4.00004-0

Goethals, GR, & Allison, ST (2016). Transformando motivos e mentores: a liderança heróica de James MacGregor Burns. Manuscrito não publicado, Universidade de Richmond.

Goethals, GR, Allison, ST, Kramer, R. e Messick, D. (Eds.) (2014). Concepções de liderança: idéias duradouras e percepções emergentes. Nova York: Palgrave Macmillan.

Gunderman (2002). Está sofrendo o inimigo? O relatório Hastings Center, 32, 40-44.

Hall, Langer e Martin (2010). O papel do sofrimento no florescimento humano: contribuições de psicologia positiva, teologia e filosofia. Journal of Psychology and Theology, 38, 111-121.

  • Dia de Ação de Graças: muitos benefícios e um inconveniente
  • O que torna a pessoa passiva-agressiva? 6 Causas Possíveis
  • Recuperação do tédio
  • Uma memória e uma lista de brechas utilizadas para justificar o consumo de álcool
  • Seus padrões de hábito de I-Centric Obtendo o melhor de você?
  • Como seu eu viciado compartilha seu cérebro
  • Mago de Trauma
  • Liberdade na tecnologia não da tecnologia
  • Dicas para perseguir os azuis da queda
  • A Psicologia Cognitiva do Jogo
  • Voltar à história
  • Gaming to Death
  • A tecnologia está aqui para ficar, obtê-lo!
  • Se o açúcar é veneno, por que todos estão comendo cupcakes?
  • Dilema de Davi
  • Uma caloria é uma caloria, ou é isso?
  • Bebidas energéticas: o que eles realmente fazem?
  • Naloxona: uma ferramenta para a sobredosagem de opióides prevenção da morte
  • Como a segurança é a condução sob a influência da cannabis?
  • Definindo Limites na Tecnologia como Família
  • Onde estão os legisladores?
  • 3 desculpas comuns para trapaça (e por que são Bogus)
  • Os médicos freqüentemente não seguem as diretrizes de tratamento do TDAH
  • Tem outro cookie: um programa de sensação corporal de 8 passos para controlar a compulsão alimentar durante as férias
  • 4 Distúrbios que podem prosperar na solidão
  • Por que você não deve comprar quando dormir
  • Você é auto-ouso absorvido?
  • Suicídio de Robin William e conexão com diagnóstico duplo
  • Beat Addictions and Procrastination
  • Medicina integrativa para se retirar e desintoxicar da nicotina
  • Não seja a senhora de frango e cheetos
  • Achados inconsistentes para Valerian como um auxiliar do sono
  • Vício e Consciência
  • Trauma Dicas para Entendimento e Cura - Parte 3 de 4
  • Two Fallacies Invalidate o DSM-5 Field Trials
  • Falando com as crianças sobre seus parentes de nascimento