Religião Através da Perspectiva do Desenvolvimento Humano

O papel da projeção, pensamento e ação e auto / desinteresse

Adobe Stock

Fonte: Adobe Stock

Para começar, vamos definir a projeção:

A atribuição de suas próprias idéias, sentimentos ou atitudes para outras pessoas ou objetos; especialmente a externalização da culpa, culpa ou responsabilidade como defesa contra a ansiedade. A projeção é um dos muitos processos de externalização dos quais os seres humanos são capazes.

Aqui está um exemplo de projeção em um contexto religioso. Algumas religiões exigem que as mulheres sejam vestidas e veladas. As penalidades por não fazê-lo são às vezes incrivelmente severas. As razões para este código de vestimenta são provavelmente multifacetadas. Em parte, pode ser um esforço em uma solução externa para um problema interno. Muitas vezes, o problema pode ser um dos sentimentos e impulsos sexuais. As mulheres são culpadas, se em estados de alguma exposição, por agitarem os impulsos sexuais dos homens. Mas o problema regulatório realmente está nos homens – são seus impulsos sexuais que parecem conflitantes e precisam de regulamentação. Ao invés de lidar com seu próprio mundo interno e conflitos sobre seus sentimentos sexuais, os homens entregam o papel regulador às mulheres – as mulheres não devem se expor de nenhuma maneira! Falar sobre passar o buck!

A incapacidade de tais homens entenderem como os sentimentos funcionam, especialmente o interesse sexual, condenam as mulheres a vários tipos de inibição. Os homens não são capazes de ver seus próprios problemas com a regulação interna da tensão, então eles forçam a solução externa para as mulheres. A projeção está no trabalho até certo ponto aqui: os homens, em conflito sobre sentimentos sexuais proibidos, projetam os sentimentos sobre as mulheres – “Não sou eu quem tem esses pensamentos sexuais proibidos”, diz o homem, “são aquelas mulheres que têm tais sentimentos.” “Ou” São aquelas mulheres que são culpadas por me estimularem. ”Os sentimentos sexuais dos homens foram atribuídos às mulheres.

Projeção por si só não conta para tal comportamento, no entanto. Tal postura autoritária parece também ditada pelo sadismo e pela hostilidade às mulheres, bem como pelo esforço de regulação externa dos sentimentos internos. Além disso, tal postura nega às mulheres sua humanidade – nega-lhes seus próprios sentimentos e ações.

A projeção é um mecanismo psicológico interessante. Na verdade, pode ser uma ajuda evolucionária, pois transforma o foco no mundo externo. Pode ser que, para a sobrevivência pura, exista primeiro a necessidade de atender a estímulos no mundo exterior do que a estímulos internos. O problema se desenvolve quando há distorção significativa da percepção dos estímulos externos em virtude da projeção de sentimentos internos (por exemplo, raiva, medo) sobre o mundo externo.

Adobe Stock

Fonte: Adobe Stock

Pensamento e Ação

A questão da projeção leva a outra questão de regulação emocional na religião. Isso envolve a equação de pensamento e ação. Equacionar pensamento e ação tem sido um grande problema para aqueles que usam a religião para criar filhos e controlar comportamentos. É um grande problema porque é antitético ao funcionamento do cérebro e do desenvolvimento emocional. “Se seu olho te ofende, arranca-o”, diz a frase.

A maneira de entender e regular o comportamento é entender e estar consciente dos pensamentos e sentimentos, não suprimi-los e tentar mantê-los fora da percepção consciente. Quando não é permitido que as crianças sintam e expressem emoções, seus sentimentos ficam engarrafados e causam danos. Pense na atuação do adolescente irritado e deprimido que foi cronicamente dito para não se expressar, e tem sido cada vez mais envergonhado ao fazê-lo; a aflição, a humilhação e a raiva se acumulam no interior e, dessa mistura, vem o comportamento destrutivo ou o adolescente suicida.

O que se quer psicologicamente é tanta liberdade interna para pensar, sentir e fantasiar quanto possível. Por quê? Porque não se pode parar, ou “ajudar a ter” sentimentos – e os pensamentos e fantasias que resultam. Os sentimentos são respostas biológicas aos estímulos. Os sentimentos são construídos inatos. Quando alguém tenta ignorá-los ou negar sua existência – seja interesse (curiosidade, sentimentos sexuais etc.), sentimentos de raiva, medo, vergonha, seja o que for – os sentimentos podem causar conflitos internos que podem resultar em sintomas psicológicos ou problemas comportamentais.

O acesso aos sentimentos, fantasias e ao mundo interno é o que permite escolhas e decisões mais razoáveis ​​e racionais. A pessoa está, então, consciente dos sentimentos e fantasias de uma pessoa – e, portanto, tem uma chance melhor de tomar boas decisões comportamentais. Mas se alguém não conhece a si mesmo, seus sentimentos, suas fantasias – esses elementos exercerão influência desconhecida na tomada de decisões. Como Silvan Tomkins observou, tente “minimizar a inibição do efeito” em crianças pequenas e, em seguida, ajude-as a rotular os sentimentos e a utilizar boas habilidades interpessoais.

Tal abertura interna freqüentemente incomoda os pais. Os pais podem ficar ansiosos com as palavras, pensamentos e fantasias de seus filhos – e, às vezes, tentarão, erroneamente, suprimir os pensamentos e sentimentos de uma criança. O ponto é que o pensamento (sentimentos, fantasias) e ação são bastante distintos, não para serem equacionados. Se os pensamentos e sentimentos são inibidos, os atos (comportamentos) são mais propensos a serem atingidos por conflitos inconscientes. Se os pensamentos e sentimentos são mais abertos e acessíveis, os processos racionais e razoáveis ​​têm uma chance maior de comportamentos positivos.

Outra área em que a equação pensamento-ação é complicada ocorre em exemplos como flag queimar ou verbalizar “desrespeitoso” ou sentimentos hostis em relação a “Deus” ou “Allah” ou a Bíblia ou Corão. Palavras e gestos simbólicos são ações (atos). Nestes casos, vê-se um problema psicológico de desenvolvimento, a saber, uma incapacidade de pensar simbólica e metaforicamente. A queima da bandeira é vista por alguns como um ataque direto ao governo (ação), ao invés de um gesto simbólico que expressa aflição, raiva e desacordo. Escrever ou dizer algo desrespeitoso ou hostil ao Islã ou ao Alcorão ou Alá pode resultar em ameaças de morte (lembra-se de Salman Rushdie?). A expressão simbólica através das palavras é sentida como um ataque direto – a expressão de pensamentos e sentimentos é sentida como um ato.

Self / Selfless

Uma área adicional de importância envolve o conceito de self. Muitas religiões pregam uma mensagem “altruísta” – entregue-se aos outros, entregue-se a Deus, não seja egoísta, faça como Deus quer que você faça, faça como os outros querem que você faça. O problema é que tais diretivas resultam em pessoas que não conhecem a si mesmas, seus interesses e talentos, suas paixões, seus gostos e desgostos. Tecnicamente, sua auto-organização é interrompida, sua auto-coesão é falha e – como muitos dos pacientes descritos anteriormente – eles não sabem quem são, o que querem e o que são capazes de fazer.

Uma abordagem melhor envolve ajudar a criança a entender seus gostos e desgostos, entender seus interesses. Tal abordagem leva a uma solidez do self, que, de fato, permite maior – e não menor – generosidade e genuíno foco nos outros. Essas pessoas são sólidas por dentro e não precisam trabalhar tanto para se manterem juntas e, portanto, têm mais a oferecer.

Muitas vezes, é dito a essas pessoas que elas não são importantes – desistir delas – que manifestam um egoísmo narcisista e uma necessidade de reconhecimento em que ocorre um foco em si mesmo. Essas pessoas muitas vezes são muito complacentes – como Winnicott [1960] coloca, desenvolveram um “falso eu” e / ou são muito egoístas, pois se esforçam para obter “oxigênio psicológico” do ambiente para se manterem juntos (Kohut, 1971). Alice Miller escreveu um livro maravilhoso ao longo destas linhas, The Drama of the Gifted Child .

Referências

Hoffman L, Rice T e Prout T (2016). Manual de Psicoterapia Focada na Regulação para Crianças (RFP-C) com Comportamentos Externalizantes: Uma Abordagem Psicodinâmica . Nova Iorque: Routledge.

Kohut H (1971). A análise do self: uma abordagem sistemática do tratamento psicanalítico dos distúrbios da personalidade narcisista. Nova Iorque: International Universities Press.

Miller A (2008). O drama da criança superdotada: a busca pelo verdadeiro eu. Revisado e atualizado com um novo posfácio. Nova York: livros básicos.

Das Drama des begabten Kindes (1979). Sufrkamp Verlag Frankfort am Main.

Tomkins SS (1991). Afetar a Imagery Consciousness (Volume III): O Negativo Afeta: Raiva e Medo . Nova Iorque: Springer.

Winnicott DW (1960). Distorção do ego em termos de verdadeiro e falso eu. Os Processos Maturacionais e o Ambiente Facilitador: Estudos na Teoria do Desenvolvimento Emocional, 1965 (pp. 140-152) . Nova Iorque: International Universities Press.

  • Criando Crianças Independentes e Confiantes
  • Adolescência e o presente de Natal da paciência dos pais
  • Como Cocktail Choice prevê gastos on-line
  • Por que Smart People Sext
  • Tali Sharot On Motivando os Outros
  • Julgamento reflexivo
  • Como reconhecer o transtorno bipolar em crianças
  • "Não comer" é uma boa razão para sacrificar um cão ou gato?
  • Tomada de Decisão para uma Saúde Mental Saudável: 3 Princípios Úteis
  • Você pode ter se formado, mas os testes continuarão chegando
  • O longo e o curto: duração e saúde do sono
  • Abuso de Substâncias: Aumentando a Empatia, Reduzindo os Assuntos de Estigma
  • Qual é a melhor decisão que você já fez?
  • Seja por intuição ou lógica, faça uma escolha e seja grato
  • A primeira ferramenta médica para prever com força o TEPT
  • Como Conquistar Perfeccionismo Antes Que Conquista Você
  • Problema Profundo da IA
  • É racional salvar o meio ambiente? Talvez não.
  • Guia Introvertido para Assertividade
  • Adolescência e liberdade de escolha
  • Raspe esse comichão
  • Não é sua culpa: superar o trauma
  • 3 mais maneiras de ensinar ética
  • 5 erros mentais que contribuem para a desordem
  • Bem-estar de cobra: eles precisam endireitar corpos, diz a ciência
  • Guia Introvertido para Assertividade
  • Aumento do tédio: por que precisamos "reformular" esse estado
  • "Não comer" é uma boa razão para sacrificar um cão ou gato?
  • Proteja-se e suas finanças contra um cônjuge bipolar
  • Resoluções quebradas: 3 fatores a considerar depois de janeiro
  • Problemas Sociais e Cognição Humana
  • Os árbitros são injustos para as jogadoras?
  • Remorso
  • Colegas médios, Mamas médios?
  • A pior maneira de terminar uma chamada
  • Dois comportamentos de líder que realmente fazem a diferença