Resiliência e Culpa do Sobrevivente

Uma entrevista com Stacey McElroy-Heltzel sobre o que é e como lidar com isso.

Este é o terceiro de uma série de entrevistas com psicólogos especialistas sobre como a resiliência – um dos principais temas de meu livro, A Walking Disaster: What Surviving Katrina and Câncer Me Ensinou sobre Fé e Resiliência – se conecta à sua área de estudo.

Stacey McElroy-Heltzel

Fonte: Stacey McElroy-Heltzel

A entrevista de hoje é sobre o assunto de culpa e características dos sobreviventes. Dra. Stacey McElroy-Heltzel, Pesquisadora de Pós-Doutorado em Aconselhamento e Serviços Psicológicos na Georgia State University. Ela é especializada nas áreas de psicologia positiva e relacionamentos românticos interculturais. Suas experiências clínicas incluem trabalhar com estudantes universitários para navegar transições de vida e lidar com problemas de saúde mental, como trauma, ansiedade e depressão. A culpa do sobrevivente é algo que muitas vezes vemos entre os sobreviventes de desastres, e foi algo que eu pessoalmente lidei depois de ver o câncer tirar a vida de amigos e de outras pessoas da minha comunidade.

JA: Como você pessoalmente define a culpa do sobrevivente?

SM: A culpa do sobrevivente é um termo que descreve sentimentos de culpa ou de ter feito algo errado por sobreviver a um evento traumático. Indivíduos que sofrem de culpa do sobrevivente podem se perguntar coisas como: “Por que eu sobrevivi quando outros não o fizeram?” E “Por que eu não fui atingido tão mal quanto os outros?” Outros sintomas podem incluir sentimentos de dormência, desconexão, vergonha ou tristeza , comportamentos como se afastar dos outros e sintomas físicos, como problemas para dormir e dores de cabeça.

JA: Que tipo de coisas causam a culpa do sobrevivente?

SM: A culpa do sobrevivente pode ocorrer em resposta a uma variedade de traumas, como desastres naturais, tiroteios em massa, acidentes e até mesmo escapar da pobreza geracional entre estudantes universitários de primeira geração. Um indivíduo pode sentir culpa do sobrevivente em resposta a ver os outros em pior forma do que eles são. Muitas vezes, a forma como os indivíduos e as comunidades são afetados por desastres ou traumas é arbitrária. Por exemplo, a casa de um vizinho pode ser destruída por um tornado, enquanto o outro fica perfeitamente intacto. Esses eventos e experiências podem ser difíceis de entender, levando algumas pessoas a se sentirem como se não merecessem ser poupadas.

JA: Quais são algumas das coisas que as pessoas podem fazer para tentar superar a culpa dos sobreviventes?

SM: Primeiro, saiba que suas reações e sentimentos são normais. Também é bom sentir-se grato por sobreviver. Isso não significa que você não se importe com os outros.

Envolva-se em um bom autocuidado, como fazer exercícios regulares, fazer refeições saudáveis ​​e dormir adequadamente.

Resista ao desejo de se retirar dos outros. Converse com alguém em quem você confia sobre seus sentimentos e peça ajuda se precisar.

Se apropriado, você também pode considerar o voluntariado formal ou informalmente para ajudar a comunidade de outras pessoas afetadas. Ajude de uma forma que seja significativa e viável para você.

Considere conversar com um profissional de saúde mental ou um líder religioso / espiritual em sua comunidade sobre seus sentimentos, especialmente se os sintomas durarem mais que duas semanas ou se estiverem impactando sua capacidade de realizar suas atividades diárias normais.

JA: Algum conselho sobre como podemos apoiar um amigo ou um ente querido lutando com a culpa do sobrevivente?

SM: Uma das coisas mais importantes que você pode fazer para alguém lutando com a culpa do sobrevivente é simplesmente estar lá e ouvir seus pensamentos e sentimentos. Saiba que eles podem lutar para pedir ajuda e apoio, e que a retirada social é uma parte típica da culpa do sobrevivente. Estenda a mão para eles e ofereça um ouvido atento ou outras formas de apoio.

JA: Você pode compartilhar sobre o que você está trabalhando nestes dias relacionados à culpa do sobrevivente?

SM: Meus colegas e eu desenvolvemos recentemente uma nova medida de culpa do sobrevivente que explora melhor como a culpa do sobrevivente afeta o relacionamento com os amigos, a família e a própria comunidade. Esperamos que isso ajude os pesquisadores e os médicos a entender melhor como a culpa dos sobreviventes está relacionada à saúde mental e ao bem-estar.

  • 15 Dicas para Desapontar o Know-It-Alls em sua vida
  • A Mãe solteira boa e suficiente
  • Mantendo a Positividade do Corpo à Luz da Crise da Obesidade
  • Uma carta aos terapeutas: cuidado com o estresse financeiro
  • Alfabetização Financeira: Apenas Mais Uma Palavra Para Vergonha Financeira
  • Generais caídos ... e nossas próprias verdades particulares
  • Desejo: quando o cérebro lembra o uso de drogas
  • Em Amizades
  • 6 maneiras de tirar o risco de receber críticas
  • Faking It Make Us Happy?
  • As mulheres bonitas têm uma vantagem em encontrar o amor e a felicidade?
  • 4 maneiras ao bem estar financeiro na idade da culpa
  • Eu espero que ninguém se descubra: Síndrome de Imposter, Culpa de Sobrevivente e A Bane de Organizações Políticas Progressistas
  • Além da epidemia de AIDS
  • Por que a desculpa que você não cometeu questões?
  • Vergonha criativa
  • Cura Emocional e Crescimento Pessoal (Espiritualidade para Iniciantes 13)
  • Dizendo adeus ao bullying, parte 2
  • Atire agora, faça perguntas depois
  • O Paradoxo da Beleza
  • Ataque sexual militar: as consequências
  • "É preciso conhecer alguém," Verdade ou Meia-verdade?
  • A incrivelmente leveza de Hanuká
  • 6 dicas para manter sua resolução de ano novo
  • A vida secreta dos procrastinadores e o estigma do atraso
  • Quem eram os alienistas?
  • A melhor maneira de dizer 'Me desculpe'
  • Dissecção de uma alimentação alimentar
  • 15 dicas para facilitar a transição do ensino médio para o colégio
  • Amando seu corpo através de uma doença crônica
  • Não quer que ela seja um Nag? Trate-a como um puro-sangue
  • Seu filho será parte do dano colateral do divórcio?
  • Como o furacão Katrina afetou a vida de um jornalista
  • Viver através da adversidade com auto-compaixão
  • Pisando fora da linha em liberdade e interdependência
  • Stress and Emotional Eating: Usando terapia de comportamento cognitivo para quebrar o hábito