Sobre o futuro do amor

Uma introdução ao conceito de maturidade cultural, parte seis

Os doze posts iniciais são uma série. Cada um é escrito para que ele possa ficar sozinho, mas você ganhará mais (e mais apreciará os posts que se seguem) se você tiver tempo para engajá-los como um todo.

A alegação de que o amor está exigindo novos tipos de capacidades humanas pode parecer excessivamente dramática. Mas vou argumentar que não é, que no final estamos sendo desafiados a repensar não apenas como agimos, mas o que faz amor amar. As mudanças que acontecem no mundo do amor hoje podem nos ajudar a entender as mudanças igualmente dramáticas que ocorrem nos relacionamentos de todos os tipos. Eles também podem nos ajudar a compreender melhor o “crescimento” mais amplo como espécie – o que chamo de Maturidade Cultural – que será cada vez mais essencial se quisermos ter um futuro humano saudável e vital.

Trinta anos atrás, escrevi um artigo intitulado “Além de Romeu e Julieta: Um novo significado para o amor”. Descreveu como o amor, em nosso tempo, está mudando de maneiras fundamentais. Embora eu tenha escrito inúmeros livros e artigos desde então, nenhuma peça foi mais citada. As mudanças que descrevi só se tornaram mais pronunciadas. Vemos as mudanças relacionadas ao amor mais prontamente nas suposições atuais de rápida evolução sobre os papéis e expectativas de gênero. Mas no final eles vão mais fundo. Elas dizem respeito a como o amor funciona – o que faz amor amar.

Para que a nova imagem do amor faça sentido, primeiro precisamos reconhecer que o amor realmente muda. Comumente, consideramos o amor intemporal – assumimos que amor é amor. Mas, de fato, o amor evoluiu ao longo da história, com amor romântico ao estilo de Romeu e Julieta apenas no capítulo mais recente. De fato, o amor romântico, como pensamos, é uma “invenção” cultural relativamente recente – um produto do entendimento da Era Moderna. As pessoas na Idade Média européia muitas vezes idealizavam o amor romântico, mas era um amor não correspondido que colocavam em um pedestal.

Mesmo que reconheçamos que mudanças, até mesmo mudanças fundamentais, ocorreram ao longo do tempo, ainda tendemos a supor que o amor, como mais recentemente conhecemos, representa um tipo de culminação. Mas essa suposição também não se sustenta. Se, de fato, o amor evolui, então não há razão para acreditar que ele deva agora ficar parado. E há uma razão mais profunda para questionar essa suposição. Acontece que o ideal da Era Moderna não é apenas uma manifestação final do amor, mas representa algo muito diferente do que pensávamos ser.

Temos a tendência de pensar – e idealizar – o amor romântico moderno como amor baseado na escolha individual. No sentido de que o amor romântico nos levou além da prática histórica de ter parceiros escolhidos por famílias ou casamenteiros, isso reflete uma maior liberdade de escolha. Mas isso ainda não é uma escolha individual em qualquer sentido plenamente realizado – no sentido de escolher pessoas inteiras. O ideal romântico da Idade Moderna reflete o que poderíamos chamar de amor de “duas metades de um todo”. Meus avós são um exemplo maravilhoso. Eles se conheceram quando tinham cinco anos e eram inseparáveis ​​durante toda a vida. Quando meu avô morreu, minha avó morreu logo depois. Nós falamos de cônjuges sendo nossa “metade melhor” para refletir a beleza desse tipo de conexão.

Mas relacionamentos que funcionam hoje estão começando a exigir mais de nós. A conexão de duas metades-faz-um-todo depende do mecanismo que os psicólogos chamam de projeção. Com amor romântico, colocamos o outro em um pedestal – torná-lo nosso cavaleiro branco ou donzela bonita. O que vemos nesse pedestal é, no final, tanto uma parte de nós mesmos quanto a pessoa com a qual nos importamos – um aspecto masculino ou feminino que ainda temos de incorporar plenamente em nossas próprias identidades. Em seu tempo, esse mecanismo forneceu um tipo de ligação muito confiável. Relacionamos como dois pólos opostos de um ímã. Mas nossos tempos estão pedindo mais. O amor de duas metades faz-um-todo ainda não é sobre amar alguém apenas pelo que ele é – totalmente como outra pessoa.

O amor da pessoa inteira – amor que deixa de lado os magnetismos prontos da projeção – representa um tipo de conexão fundamentalmente diferente. Com isso, o amor requer que reconheçamos melhor como, como disse Lily Tomlin, “estamos todos sozinhos nisso”. E, simultaneamente, é necessário reconhecer a possibilidade de formas mais completas de estarmos juntos. Essas mudanças estão apenas começando e, certamente, apenas começando a ser reconhecidas. Mas quando eu trabalho como psiquiatra com casais, é raro que os desafios e recompensas de amar mais como pessoas inteiras não se tornem um ponto de discussão.

O fato de que o amor como nós testemunhamos até agora tem sido o amor de um tipo de duas metades-faz-um-todo torna-se óbvio com reflexão. Projeção é o que torna possível apaixonar-se rapidamente sem o conhecimento real da outra pessoa. É também o que torna possível para o som dos sinos de casamento na conclusão de um filme nos assegurar que os protagonistas viverão “felizes para sempre” quando, na verdade, a jornada do amor mal começou.

O resultado comum quando deixamos de amar fornece evidências ainda mais inescapáveis ​​para esse mecanismo de duas metades que fazem tudo. As pessoas tendem a supor que teremos então repugnância, até mesmo antipatia pela outra pessoa – que, com alta frequência, prova ser o que de fato sentimos. Observe que esse resultado não faz sentido se o amor tivesse sido entre duas pessoas inteiras, quando nos amávamos simplesmente pelo que somos. O término de tal relacionamento pode trazer tristeza por algo especial ter seguido seu curso. Também pode trazer pesar que erros foram cometidos. Mas somente em circunstâncias muito incomuns a antipatia seria justificada. Por que nós assumimos antipatia? Quando o amor envolve projeção, a antipatia é necessária para extrair a parte projetada e recuperar nosso pleno senso de nós mesmos. O sentimento mais comum quando os sentimentos de amor de toda a pessoa começam a desvanecer-se é gratidão pelo que a outra pessoa acrescentou às nossas vidas.

Eu preciso enfatizar que eu não estou sendo crítico do amor como nós o conhecemos. Foi certo para o seu tempo. Não teríamos tido amor que funcionasse sem os confiáveis ​​magnetismos que esses mecanismos proporcionavam. Meu ponto é simplesmente que nossos tempos nos desafiam a transformar as primeiras páginas em um capítulo importante – e, em última instância, empolgante – na história do amor.

Não podemos, a princípio, celebrar as mudanças que vêm com a nova imagem do amor – na verdade, exatamente o oposto. Deixar para trás a promessa do sonho romântico de que há outra pessoa que pode ser nossa conclusão e resposta pode parecer apenas uma perda. É também o caso de que ainda temos pouco a nos orientar no engajamento das mudanças que esse tipo de amor mais maduro exige de nós. As imagens na mídia, hoje, raramente chegam muito além do antigo ideal romântico – na verdade, raramente vão além de absurdas caricaturas.

Mas quando começamos a engajar a nova imagem do amor, começamos a reconhecer o poder dessas mudanças. Vemos que aquilo que foi tirado foi, em última análise, uma ilusão – uma ilusão de que, embora necessária para que o amor funcione, hoje se tornou um obstáculo. Também vemos como, porque o amor do tipo mais Pessoa-Integral reflete melhor a vida única de duas pessoas, pode ser muito mais significativo – e, portanto, mais romântico no sentido mais profundo. E como as duas pessoas não são mais duas metades de uma história previsível, as possíveis formas de estar juntas aumentam dramaticamente.

O que torna isso possível

Não precisamos inventar essa nova capacidade para o amor de toda a pessoa – pelo menos não em sentido algum – e felizmente. Caso contrário, seria certamente muito exagerado. A relação de pessoa inteira decorre diretamente das mudanças cognitivas que produzem o novo capítulo mais abrangente da Maturidade Cultural em nossa história humana. Essas são as mesmas mudanças que descrevi reformulando a paisagem moral e tornando possível superar as crenças do “povo escolhido / mal-outro” que antes eram a base da guerra.

As mudanças cognitivas da Maturidade Cultural possibilitam uma maior conscientização de todas as diversas partes que nos fazem quem somos. Com eles, chegamos a engajar experiências de todos os tipos de forma mais sistêmica – poderíamos dizer de maneira mais “completa”. (Em uma parte posterior, descreverei essas mudanças em mais detalhes. Você pode começar a fazer uma visita ao post do blog Maturidade da Cognição Cultural.)

O reordenamento cognitivo da Maturidade Cultural significa que a compreensão e o propósito derivam cada vez mais de envolver o mundo com todo o que somos. É semelhante com amor. Descrevi como o imaginário idealizado de relações de duas metades-faz-um-todo (ou imagens demonizadas se as coisas não estão indo bem) envolve projetar partes de nós mesmos sobre o outro. Quando esse relacionamento é historicamente correto, nós experimentamos encontrar um lar apropriado para nossas projeções como nos completando. Com as mudanças cognitivas da Maturidade Cultural, nós gradualmente passamos a experienciar a dinâmica projetiva como nos diminuindo – fazendo-nos sentir menos do que mais.

O amor de toda a pessoa requer que a realidade seja mais generosa do que antes. Quando estamos prontos para isso, em vez de algo exótico, parece “senso comum”. Assim como a natureza aparentemente óbvia da maioria das percepções maduras culturais, essa é uma sofisticação do “senso comum” que estamos apenas começando agora. para apreciar (veja Common Sense 2.o). Mas quando oportuno, parece que o amor que importa é obviamente sobre.

Como deve ficar claro a partir dessa descrição, o amor da pessoa inteira é tanto sobre um novo tipo de relacionamento com nós mesmos quanto sobre ser capaz de nos relacionarmos mais plenamente com outra pessoa. Eu observei que descrever o amor romântico ao estilo de Romeu e Julieta como o amor baseado na escolha individual se refere, na melhor das hipóteses, à individualidade de um tipo limitado. O amor de toda a pessoa reflete uma compreensão totalmente nova e mais completa de – e forma de incorporar – o que significa ser um indivíduo. Indiscutivelmente, estamos apenas aprendendo o que é ser um indivíduo – em qualquer sentido completo -. (Em um artigo posterior, abordarei esse aspecto das mudanças da Maturidade Cultural mais especificamente. Você pode começar a fazer uma visita ao Mito do Indivíduo.)

Novas capacidades necessárias

Descrevi como podemos pensar em Maturidade Cultural em termos de um conjunto comum de capacidades novas para nós como espécie. Podemos pensar no que o amor de toda a pessoa exige em termos de um punhado de novas capacidades. Cada um deles exige que se mantenha a realidade da maneira mais completa que as mudanças cognitivas da Maturidade Cultural tornam possíveis.

Uma nova e maior capacidade de tolerar limites, incertezas e o fato de que o relacionamento é um processo. Com amor romântico, o outro é experimentado como uma resposta – nossa conclusão. O relacionamento de pessoa inteira exige que aceitemos limites para o que outra pessoa pode ser para nós e, por sua vez, o que podemos ser para eles. Também requer que aceitemos limites fundamentais para o que podemos conhecer. Na terapia, muitas vezes responderei à expectativa implícita de uma pessoa de que o parceiro deveria compreendê-las completamente, com a observação de que terão sorte se compreenderem cinco por cento delas mesmas. Além disso, exige que reconheçamos que conhecer alguém profundamente leva tempo. O relacionamento bem feito torna-se experiente como um processo criativo – com todas as incertezas necessárias e reviravoltas inesperadas.

Aprender a reprojetar projeções e “medir” o amor de maneiras mais abrangentes. Com o amor de duas metades faz-um-todo, o amor se torna uma expressão de se podemos encontrar conclusão na outra pessoa. Psicologicamente isso se traduz em se partes de nós podem encontrar conclusão em conectar-se com uma versão idealizada de alguma parte complementar em outra pessoa. Sabemos que é amor porque sentimos a “química” necessária e a experiência de “nos apaixonarmos”. Enquanto que com o amor de Toda a pessoa a conexão pode ser muito mais profunda, nossa “medida” é mais básica – mais “comum” Se você for. Nossa atenção se volta para a profundidade de conexão e complementaridade que sentimos uns com os outros. Sabemos que amor é amor, não por uma parte de nós estarmos empolgados em sermos completados, mas pelo fato de nós mesmos apreciarmos os modos como a vida se torna mais na presença dessa outra pessoa.

Conforto em fazer distinções mais diversificadas. É importante perceber que o sucesso no amor hoje tem a ver não apenas com o que trazemos para o amor – o todo de nós mesmos – mas também com o modo como o entendemos. O amor que se entrega às projeções tradicionais requer uma compreensão mais sutil do funcionamento do amor. Nós não estamos acostumados a pensar muito sobre o amor. De fato, o pensamento e o amor têm sido vistos quase como opostos. Mas como os ditames culturais deixam de fazer muito do nosso pensamento por nós, precisamos trazer à nossa experiência de amor novos níveis de consciência e discernimento.

Nossos tempos convidam, de fato exigem – e começam a tornar possível – uma nova maturidade não apenas em nossa experiência de amor, mas também na sofisticação com a qual entendemos isso. Alguns exemplos de novas compreensões que o amor bem-sucedido no futuro exigirá de nós incluem: melhor apreciação de como o amor pode ser diferente para pessoas diferentes; um reconhecimento mais profundo de como o amor muda e evolui, tanto no curso de um relacionamento quanto mais amplamente; e uma compreensão mais abrangente de como o amor interage de forma criativa com outras partes de nossas vidas.

Acho um exemplo dessa necessidade de tornar as distinções mais sutis particularmente intrigantes. Escrevo muito sobre diferenças de personalidade – o quão profundamente diferentes pessoas podem ver o mundo como um produto de temperamento. Cinquenta anos atrás, era raro para pessoas com diferentes estilos de personalidade formarem laços românticos (quando dissemos que os opostos se atraem, que eram opostos dentro da mesma fatia geral de temperamento). Hoje, as relações entre pessoas com temperamentos muito diferentes são cada vez mais comuns (como vemos em outros tipos de diversidade, como as diferenças raciais). Porque tais relacionamentos reúnem essa riqueza da diferença, eles podem ser particularmente gratificantes. Mas eles podem trabalhar apenas na medida em que as pessoas apreciam o quão profundamente elas são diferentes e abordam a relação com o entendimento necessário.

Obtemos uma percepção adicional das mudanças que remodelam o amor com o reconhecimento de que mudanças relacionadas estão ocorrendo em relacionamentos de todos os tipos – entre os amigos; a novas abordagens mais maduras para a liderança; e, finalmente, a forma como pensamos e estruturamos nossas instituições. Cada novo tipo de relacionamento é um produto do mesmo tipo de reordenamento cognitivo. Com cada um, vemos a necessidade de novas capacidades relacionadas. Também vemos a possibilidade de relacionamento que é ao mesmo tempo mais “comum” e mais profundo.

Dito isso, o amor fornece um exemplo especialmente notável e útil. Porque o amor representa uma ilustração particularmente pessoal dessas mudanças, ele faz um dos lugares mais prontos para reconhecê-las. E porque as mudanças do amor estão bem encaminhadas, elas apóiam a esperança de que as mudanças mais amplas da Maturidade Cultural estão mais nas cartas que podemos assumir. Eles nos ajudam a perceber que essas mudanças são “cuja hora chegou”.

Complexidade do Amor / Simplicidade do Amor

Trazer maior maturidade ao amor torna o amor mais desafiador e complexo. Certamente, exige que conheçamos a nós mesmos e à pessoa com quem estamos mais profundamente. Há também como novas capacidades exigem que tragamos maior sofisticação às nossas escolhas e maiores nuances de como nos conectamos. E, ao mesmo tempo em que ultrapassar as hipóteses de duas metades faz-tudo, pode abrir a porta para uma variedade maior de opções nas formas que o amor pode assumir, mais opções não tornam necessariamente o amor mais fácil.

Mas também existem maneiras importantes em que a conexão de Pessoas Integrais pode tornar o amor mais simples. O amor se torna mais sobre ser apenas a si mesmo e amar outra pessoa por quem ela é. É sobre o amor simplesmente como amor. Com esse reconhecimento, poderemos deixar para trás muitas das armadilhas e expectativas passadas do amor, se assim o desejarmos – moldar o amor da maneira que melhor se adapte a quem estamos juntos. Também se torna muito mais fácil reconhecer e ir além da novela e do drama que, no final, só atrapalha o relacionamento real.

O que mais se destaca – a complexidade ou a simplicidade – são essas mudanças que permitirão que o amor permaneça algo poderoso no futuro. Conexão de pessoa inteira não é um luxo. A longo prazo, este próximo capítulo da história do amor será essencial para o amor que funciona – e também essencial para formas de entender a identidade e o propósito desse trabalho. O futuro da intimidade depende cada vez mais dessa capacidade de realizar um tipo mais completo de relacionamento com nós mesmos e com aqueles com quem nos importamos.

Onde estamos nessa evolução? O próximo capítulo mais maduro do amor permanece um trecho para a maioria das pessoas. Certamente, representações populares de amor na mídia ainda raramente vão além do romance de conto de fadas e do drama da novela. Pode ser que muitas décadas antes disso seja como uma grande parte das pessoas começa a pensar sobre o amor. Mas as mudanças já estão bem em movimento.

[Estou apenas completando um novo livro que expande o tipo de pensamento neste artigo. Intitulado A Evolução da Intimidade: uma Breve Exploração no Passado, Presente e Futuro do Gênero da Intimidade, será lançado no início de 2019.

Esses posts são adaptados de uma série originalmente escrita para a World Future Society. Eles podem ser encontrados em formato de podcast em LookingtotheFuture.net

  • Seu terapeuta pode ser seu amigo?
  • Quem é um terapeuta existencial-humanista? Parte 2
  • Como a maioria da depressão pode ser batida com um método simples
  • Como amar alguém novamente após a infidelidade
  • "Mãe, estou tendo um ataque de pânico"
  • 5 chaves para relacionamentos bem sucedidos
  • Os mistérios da loucura
  • Encontrando o Humor na Tristeza (e Monstros)
  • Crescimento pós-traumático
  • O que causa dependência?
  • 4 coisas que as senhoras não amadas perdem
  • Nossa infância pode realmente prever nosso futuro?
  • Por que compartilhamos nossas histórias privadas
  • Regras de intuição: por que os terapeutas raramente dizem "Apenas se junte!"
  • Quer uma versão? O lançamento de Myofascial me deu um novo corpo
  • Eu também!
  • Tribunal de apelação rejeita psicologia pop "passado como prelúdio"
  • Gerenciando dor versus recuperação da dor
  • Pêniscas: jogar com tamanho. Trate ED.
  • Terapia de casais
  • Síndrome de alienação parental: chamar mães nazistas
  • Sexo americano e psiquiatria americana
  • Avaliação psiquiátrica sistemática: tire seu tempo!
  • O questionário de casamento
  • Uma visão geral do tratamento com TDAH
  • Para Screen ou Not To Screen?
  • Cuidados de concupiscência chegando a uma clínica perto de você
  • Não fique mesmo, fique ainda melhor
  • "Às vezes, você precisa trabalhar com a dor para chegar à felicidade".
  • O zumbido pode literalmente levá-lo louco
  • Um ambiente de vida sóbrio construído em torno do cuidado e da comunidade
  • Por que a felicidade é tão difícil? 10 Razões, 10 Soluções
  • Parenting 3-D
  • Feira da luta!
  • Campus Mental Health
  • Não seja um pássaro irritado