Sua auto-expressão está prejudicando seus relacionamentos?

Falando sua verdade enquanto mantém seu relacionamento seguro

Wikimedia Commons image by Cotydreams

Fonte: Wikimedia Commons imagem por Cotydreams

Muitas vezes nos disseram que é importante falar nossa verdade – expressando nossos sentimentos, pensamentos e percepções sinceras. Fomos avisados ​​contra ser co-dependentes e ocultar nossos verdadeiros sentimentos para proteger ou aplacar os outros. A intimidade não pode prosperar em um clima de desonestidade emocional e inautenticidade.

Justo. Mas a pesquisa por trás da Teoria do Apego sugere algo que pode parecer contraditório: precisamos de segurança em nossos relacionamentos como base para o amor e a conexão. Isso levanta a questão do que é mais importante, nossa autonomia ou manter um apego saudável?

Há muita complexidade em ter relacionamentos maduros. Se fosse simples, todos estaríamos em relação de felicidade agora – vivendo felizes para sempre. Portanto, vamos nos sentar e mergulhar na complexidade de manter os dois lados dessa aparente contradição: o que seria necessário para sermos nós mesmos e falarmos de nossa verdade, ao mesmo tempo em que também mantemos um clima de segurança emocional em nossos relacionamentos importantes?

Narcisismo como o lado sombrio da autonomia

Somos todos vítimas do apego do narcisismo e, na medida em que somos focados na busca de nossos próprios prazeres e desejos, não estamos inclinados a considerar como estamos afetando os outros. Podemos nos orgulhar com a convicção de que “eu digo como é” (ou como pensamos que é) sem levar em conta as consequências potenciais. Na falta de empatia, há pouca sensibilidade em como estamos sendo recebidos.

Muitas vezes notei uma importante fase de transição no crescimento pessoal, em que priorizamos a auto-expressão como um passo para curar feridas na infância e superar a história de sermos envergonhados e desrespeitados. Prejudicados pela tendência de pensar que há algo errado conosco, podemos ter nos desrespeitado colocando os sentimentos dos outros à frente dos nossos.

Se tivermos o hábito de minimizar o que queremos para responder ao que os outros querem de nós, podemos nos sentir liberados para declarar: “Tenho o direito de honrar minha própria experiência e expressar meus verdadeiros sentimentos e necessidades!”

Expressar nossa verdade é agradavelmente fortalecedor. É um alívio falar nossa mente sem nos sentirmos excessivamente responsáveis ​​pelos outros. Mas aqui está o problema. Entramos em uma zona de perigo quando a auto-expressão descontrolada se torna tão dominante ou inebriante que desconsideramos como estamos afetando os outros.

À medida que ganhamos mais facilidade em conhecer e expressar nossos sentimentos e opiniões pessoais, podemos estar dispostos a aceitar um desafio maior: compartilhar nossa experiência de maneira a preservar a confiança. Isso significa cultivar a habilidade de entrar em nós mesmos, perceber sentimentos genuínos, considerar se é certo dizer alguma coisa – e, mais importante ainda, como dizê-lo.

Quando sabemos em nossos ossos que temos direito a nossos sentimentos, podemos dar-lhes espaço para se infiltrarem um pouco mais sem representá-los, o que nos dá tempo para reagir com sensibilidade e habilidade ao invés de reagir impulsivamente. Este é o significado da maturidade, que vem da palavra “amadurecimento”. Honramos nossos sentimentos enquanto permanecemos conectados. Isso significa ser gentil com o coração das pessoas e se comunicar sem ser humilhante ou crítico, embora, mais importante, não tenha que fazer isso com perfeição.

Preservando a segurança

John Gottman conduziu uma pesquisa importante sobre o que faz os relacionamentos prosperarem ou fracassarem. Um ingrediente essencial é estar consciente de como estamos afetando uns aos outros.

É preciso uma boa dose de auto-estima para perceber que nossas palavras e ações podem afetar profundamente as pessoas. Se crescemos sentindo-nos impotentes, podemos esquecer que temos o poder de ferir os outros com uma palavra casualmente indelicada ou uma atitude de desprezo. Estar ciente do poder de nossas palavras pode nos lembrar de fazer uma pausa antes de falarmos. Podemos entrar, perceber o que é emocionalmente ressonante para nós e encontrar uma maneira de transmitir nossa experiência, de modo que seja mais provável preservar a confiança do que explodir a ponte interpessoal.

O especialista em comunicação Marshall Rosenberg estava bem ciente do poder de falar a nossa verdade, ao mesmo tempo em que mantinha a segurança em nossos relacionamentos. Ele passou a vida inteira refinando as ferramentas de comunicação que capacitariam nossa voz ao mesmo tempo em que convidavam as pessoas para nós em vez de afastá-las.

Quando a parte de “luta” da luta, fuga, resposta ao congelamento é acionada, podemos atacar as pessoas quando nos sentimos feridos ou insultados. Descrevendo suas falhas, nós culpamos, julgamos, criticamos e envergonhámo-los em nome de falar nossa verdade – muitas vezes com um ar sutil de autocongratulações e arrogância. Mas a menos que nossa verdade seja expressa com respeito e sensibilidade para com os corações ternos dos outros – isto é, a menos que colocemos segurança à frente da auto-expressão impulsiva – continuaremos a prejudicar a confiança, deixando-nos sozinhos e desconectados.

Nós precisamos ser autênticos. Mas se quisermos nutrir relacionamentos, também precisamos proteger a confiança. É uma prática contínua desenvolver a habilidade de falar a nossa verdade enquanto também cuidamos de como estamos afetando as pessoas. Isso pode incluir a percepção da vergonha saudável que resulta da violação dos limites do outro – não nos irritando com nossos erros, mas aprendendo com eles.

Falar nossa verdade de uma maneira que preserva a confiança significa cultivar recursos internos que expandem nossa tolerância ao desconforto emocional. Precisamos dançar habilmente com nossas emoções intensamente sentidas em vez de representá-las. Ter tempo para gentilmente manter nossos sentimentos internamente antes de falar nos permite encontrar um modo não agressivo e de construção de confiança para revelar as verdades emocionais que vivem dentro de nós.

© John Amodeo

Imagem Wikimedia Commons por Cotydreams

  • Todo-Feminino "Senhor das Moscas" Remake
  • Para amar alguém, você realmente precisa se amar primeiro?
  • O que é "Melhor" varia, dependendo das necessidades envolvidas
  • 3 coisas que um pai nunca deveria dizer a um filho
  • Grit: É Baloney?
  • Terno Impenetrable, Mente Susceptível: Iron Man's Personality
  • Preservando a Saúde Mental durante o Desemprego
  • Abuso de Navegação pelo Clero - Parte 2.
  • Criando um Abusador de Substâncias
  • Estigma e segredos: blocos rodoviários para recuperação
  • Por que as mulheres sempre querem ser minhas amigas e não me conhecer?
  • Quando a "vítima" se tornou uma Palavra ruim?
  • A mulher que faz tudo
  • Mesmo as pessoas felizes obtêm os blues
  • Mortalistas de espelho: por que os seres humanos são as espécies mais valentes de todos os tempos, e precisam ser ainda mais bravos
  • 6 Passos para Ensinar Seu Otimismo Infantil
  • Incesto: poder, não sexo
  • Desenvolvimento da linguagem
  • Este breve poema é uma ferramenta maravilhosa para diminuir a sua ansiedade!
  • Estamos todos feridos
  • Quando menos é mais
  • 4 auto-retratos que nos tornam autoconscientes
  • Sobre a vida violenta e a morte de Osama bin Laden: um pós-mortem psicológico
  • Negociar com o seu passado cria um arrependimento no presente
  • Uma epidemia escondida
  • Man Up! Nosso 'Código Masculino' Falha Meninos e Homens
  • A emoção tóxica que rege o nosso mundo
  • Verificando no casamento
  • O Poder da Tradução
  • Você está faminto por seu trabalho?
  • As férias de uma noite
  • A Quarta Profissão Impossível
  • O homem invencível: as intenções são puras, mas desconectadas do comportamento
  • Bumps no meio da estrada
  • Invisible Wounds of War
  • Por que não posso superar minha infância dolorosa?