Trabalhadores de Trauma em risco por fadiga de compaixão

Brian Walker/Flickr
Fonte: Brian Walker / Flickr

A expectativa de compaixão sem fim pelos outros é irrealista. Para os trabalhadores traumáticos, ouvir histórias devastadoras pode demorar. Isso pode ser visto em efeitos prejudiciais para a saúde física e emocional; ou seja, um tipo específico de burnout chamado fadiga de compaixão.

O Relatório de Trauma & Saúde Mental falou recentemente com o especialista em fadiga da compaixão e diretor da Compassion Fatigue Solutions em Kingston, Ontário, Françoise Mathieu, para discutir os sintomas da condição e como os traumatologistas podem se proteger.

P: O que é a fadiga da compaixão?

R: É uma mudança gradual e declínio na capacidade de um indivíduo sentir empatia e compaixão pelos outros. Não é uma doença ou desordem. Muitas vezes, o termo fadiga de compaixão é usado de forma intercambiável com trauma vicário ou estresse traumático secundário (STS), mas há uma distinção.

STS refere-se a uma experiência traumática e estressante sem exposição direta ao trauma. STS resulta de ouvir histórias traumáticas, como ouvir testemunhos de testemunhos ou histórias de tortura. Com o passar do tempo, essas histórias podem mudar sua visão do mundo para uma imagem manchada e cansada, até o ponto em que você perde a capacidade de experimentar alegria. Por exemplo, as pessoas que trabalham com vítimas de trauma sexual podem ter dificuldade em confiar em babá ou treinadores. O trauma vicário é o resultado da acumulação de várias experiências STS.

P: Quem é suscetível à fadiga de compaixão, trauma vicário e STS?

R: Ajudar os profissionais são os mais suscetíveis. Isso geralmente inclui médicos, enfermeiros, profissionais de saúde mental, profissionais de saúde aliados, terapeutas, clérigos, policiais, professores, profissionais de cuidados de longa duração e funcionários de apoio pessoal.

O público também pode começar a internalizar os traumatismos da exposição contínua a imagens gráficas retratadas pela mídia. A superexposição dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 criou uma sensação de perigo e paranóia. A diferença é que o relacionamento que os profissionais de ajuda se formam com seus clientes é muito singular: você se torna profundamente vulnerável. Quando você está abrindo seu coração e ouvindo a dor de alguém, pode ser muito intenso.

P: Existem sinais e sintomas de cansaço da compaixão?

R: Um sinal de alerta importante é o workaholism. Muitos profissionais que ajudam são tão dedicados aos seus empregos que não têm equilíbrio entre o trabalho e a vida doméstica. Quanto mais atencioso você é, mais vulnerável você é. Nós chamamos isso de "conseqüência normal" de fazer um bom trabalho. Ajudar os profissionais pode sofrer um declínio na empatia, reduzir a colegialidade, repreender as consultas dos clientes e depreciar suas histórias.

Ou, alguém pode estar fazendo um ótimo trabalho no trabalho, mas não tem mais nada para dar em casa. Os sinais de alerta são irritabilidade, isolamento social, exaustão emocional e física ou auto-medicação com drogas, álcool ou até compras excessivas.

P: O que pode proteger os trabalhadores do trauma?

R: Com o aumento dos cortes no orçamento, muitos traumatóris não possuem formação adequada, pelo que Trauma Informed Training pode ser altamente protetora. Richard Harrison e Marvin Westwood, pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC), estudaram terapeutas traumáticos experientes e descobriram que aqueles que se relacionavam espiritualmente ou criativamente com algo fora de seu trabalho e se sentiam apoiados por suas famílias e comunidades conseguiram bem com o estresse de seus empregos.

Estabelecer uma aliança terapêutica profunda caracterizada por um relacionamento significativo com os clientes, com base na presença e preocupação sincera, também proporcionou satisfação profissional.

P: O que uma pessoa com fadiga de compaixão faz para aliviar os sintomas?

R: Não podemos evitar a fadiga da compaixão, mas existem estratégias e ferramentas para que os profissionais possam se sentir fundamentados, presentes no momento e bem treinados. Faça estas perguntas:

– Eu trabalho em algum lugar onde eu tenho controle? O controle sobre sua agenda pode reduzir a fadiga da compaixão. Pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença.

– Tenho um processo de esclarecimento que pode aliviar algumas das tensões emocionais?

– Tenho acesso a pessoas de apoio com quem posso consultar, quando ouço histórias difíceis?

-Am eu treinei em conceitos relacionados ao trauma, para que eu tenha uma melhor compreensão dos efeitos colaterais?

– Tenho um ritual de transição, uma maneira de deixar o trabalho e transição para a minha vida doméstica? (por exemplo, yoga, exercício)

Por último, a pesquisa mostra que a estratégia mais eficaz é a redução de estresse baseada na atenção, que recomenda técnicas de relaxamento para reduzir o estresse e melhorar a auto-compaixão.

Mathieu acrescenta que, mesmo que você tenha sua história histórica de trauma, isso não significa que você não deveria ser um profissional que ajuda. Neste caso, é importante identificar seus disparadores, garantir que você tenha um sistema de suporte e que seu número de casos não o lembra de seu trauma pessoal.

Mathieu adverte o trabalhador do trauma para "pagar a mesma atenção às necessidades de seu cliente e você mesmo".

– Por Shira Yufe, Escritora contribuidora, The Trauma and Mental Health Report

– Editor Chefe: Robert T. Muller, The Trauma and Mental Health Report

Copyright Robert T. Muller

Related of "Trabalhadores de Trauma em risco por fadiga de compaixão"