Transforme os cuidados de saúde com o lado direito: concentre-se no bem-estar e não na doença

Mudando de doença para bem-estar e como o coaching comportamental é a chave para o sucesso

Detalhes

Por Leroy Hood, MD, Ph.D., e Nathan Price, Ph.D.

Quase 20% do PIB dos EUA é gasto em cuidados com a saúde – a guia mais alta do mundo – então não deveríamos também ter os melhores resultados de saúde? Infelizmente, existe uma enorme lacuna entre gastos e resultados. Na verdade, os americanos ficam muito aquém quando se trata de resultados de saúde entre os países ricos.

Um problema é que o sistema de saúde de hoje se concentra quase exclusivamente em responder a sintomas e doenças depois que eles surgem. Nos Estados Unidos, gastamos 97% de nossos recursos de saúde no tratamento de doenças. Os custos econômicos das condições neurológicas, por exemplo, totalizam mais de US $ 800 bilhões por ano, segundo pesquisa da revista Annals of Neurology.

Mas outra visão para a saúde está surgindo – uma que é focada no bem-estar, e não na doença. Um que é pró-ativo em vez de reativo. Um que adota uma abordagem sistêmica à biologia e à medicina, em vez de estudar um gene, uma célula ou uma proteína de cada vez.

Então, o que significa estar bem? O que significa otimizar nosso bem-estar?

Na última década, o big data, a análise e as redes sociais, bem como os avanços em tecnologias como o Fitbit e outros dispositivos de rastreio de saúde, estão nos dando a capacidade de aprender mais sobre o bem-estar individual do que nunca.

Desbloquear o código para sua melhor saúde

É provável que todos nós conheçamos alguém que, aparentemente do nada, desenvolveu uma condição de saúde que altera a vida. É assustador considerar que, embora estejamos valorizando nosso bem-estar, uma doença séria ou uma doença crônica poderia nos atingir sem aviso prévio – e especialmente assustador perceber que não temos como prever ou antecipar como ou quando esse evento pode ocorrer.

Mas e se, codificados dentro de cada um de nós, houvesse indícios que não apenas sinalizassem os sinais visíveis de doenças, mas nos dessem os meios para potencialmente nos transformar de volta ao bem-estar? E se pudéssemos tocar esses sinais em nossos corpos antes que eles se desenvolvessem em condições graves de saúde? E se, de acordo com o que aprendemos, pudéssemos fazer mudanças biológicas, químicas e de estilo de vida significativas e eficazes que pudessem impedir completamente a crise?

Essa é a premissa por trás do Scientific Wellness, que começa com uma abordagem sistêmica para analisar grandes conjuntos de dados altamente especializados de biomarcadores humanos individuais, como genes, proteínas e microbiomas, combinados com treinamento de saúde personalizado para influenciar nossa saúde.

Otimizando o bem-estar e evitando doenças

Em 2014, concebemos e co-lideramos o Pioneer 100 Wellness Project (P100), um estudo com 108 pessoas que demonstrou que a combinação de conjuntos de dados densos e personalizados com o coaching comportamental personalizado pode ajudar a otimizar o bem-estar. O grupo piloto P100 consistia de 64 homens e 44 mulheres, com idades entre 21 e 89 anos.

Durante um período de nove meses, coletamos uma quantidade sem precedentes de informações sobre cada um deles, incluindo sequências do genoma inteiro. A cada três meses, fazíamos análises de sangue, urina e saliva e medições do microbioma intestinal – milhares de medições para cada pessoa em cada ponto do tempo. Também encorajamos nossos participantes a acompanhar suas atividades diárias usando um Fitbit usável e coletamos dados de estilo de vida e psicológicos de vários questionários.

Usando essas informações, criamos o que chamamos de nuvens de dados pessoais, densas e dinâmicas para cada indivíduo que mediram muitos fatores ao longo do tempo. Ao analisar esses dados extensos, identificamos substâncias e relações associadas à saúde e à doença.

Essa gama de dados nunca foi medida antes em um grupo de indivíduos, e o que estamos descobrindo tem profundas implicações para o futuro do bem-estar – e das doenças. Os resultados deste estudo foram recentemente apresentados na revista Nature Biotechnology.

Assim como o Telescópio Hubble forneceu uma nova visão do universo, conjuntos de dados pessoais, densos e dinâmicos serão transformadores para fornecer novos insights tanto da biologia humana quanto da doença.

Nós denominamos esta abordagem transformacional Scientific Wellness, uma abordagem informada para manter e melhorar a saúde e evitar transições para doenças. É um desvio radical da forma como o nosso atual sistema de saúde funciona.

A Scientific Wellness usa a genética e uma variedade de dados personalizados, além de treinamento sob medida, para nos ajudar a prosperar, agora e no futuro.

Essa abordagem pode nos ajudar a entender melhor os fatores genéticos e ambientais que determinam nosso estado de saúde. Com o tempo, isso nos permitirá identificar as transições mais precoces do bem-estar para a doença, que é a chave para os cuidados preditivos e preventivos para os indivíduos.

Ao integrar e analisar diferentes tipos de dados – incluindo uma predisposição genética (baseada em mais de uma variante genética) para condições complexas – estamos descobrindo como ocorre uma transição do bem-estar para a doença e aprendendo mais sobre possíveis intervenções futuras.

Data + coaching e um plano de ação = resultados

Infelizmente, simplesmente fornecer grandes quantidades de dados para as pessoas não gera mudanças no estilo de vida – na verdade, pode paralisar as pessoas na falta de ação. Usando estratégias comportamentais baseadas em evidências fornecidas por um coach comportamental, trouxemos os dados para a vida de uma forma que permitiu aos nossos participantes fazer grandes melhorias em seu estilo de vida e bioquímica sanguínea para otimizar seu bem-estar. O coach traduziu os fatores de risco que identificamos nos perfis complexos dos participantes e desenvolveu possibilidades acionáveis ​​de mudança.

O coach personalizou recomendações específicas em consulta com o médico do estudo e com cada participante. O coaching concentrou-se em quatro áreas principais de saúde: cardiovascular, diabetes, inflamação e nutrição. As principais recomendações individuais se enquadravam nas categorias informadas de dieta, exercício, controle do estresse, suplementos dietéticos ou encaminhamento médico, conforme relevante para cada participante. O treinador alcançou um sucesso notável – 70% de cumprimento – e foi uma parte vital do programa. À medida que a quantidade de dados aumentou para os participantes, mais e mais possibilidades acionáveis ​​foram descobertas para melhorar seu bem-estar – especialmente novas possibilidades acionáveis ​​que integram diferentes tipos de dados.

Por exemplo, um participante do sexo masculino de 65 anos de idade que adorava caminhar contou ao seu treinador que ele havia sido retardado por danos na cartilagem em seu tornozelo. Quando ele se juntou ao estudo, os dados iniciais revelaram que ele tinha um alto nível de ferritina no sangue (excesso de ferro no sangue) e uma variante genética associada à hemocromatose hereditária. Se não for tratada, a hemocromatose pode estar associada a complicações sérias mais tarde, incluindo danos na cartilagem, doença hepática, diabetes e doenças cardíacas. Com base nesses resultados, nossa equipe clínica encaminhou-o a um hematologista, que diagnosticou hemocromatose e prescreveu flebotomia terapêutica. Na próxima coleta de sangue, os níveis de ferritina caíram dentro da faixa normal, onde permaneceram pelo restante do estudo. Além disso, a descoberta significava que ele evitava danos aos órgãos e outras complicações que acompanham a hemocromatose não diagnosticada.

Depois de concluir o estudo P100, membros-chave da equipe de pesquisa do Institute for Systems Biology (ISB) fizeram a transição para a Arivale, uma empresa que a ISB desenvolveu em 2015 com o compromisso de levar o bem-estar baseado em dados aos consumidores. O Arivale oferece um programa que aproveita as percepções científicas de centenas de estudos de pesquisa intervencionistas publicados e apresenta um programa de uso intensivo de dados, como foi prototipado em nosso estudo Pioneer 100. O Arivale faz uma análise integrativa do sofisticado sistema biológico de um indivíduo – da genética aos marcadores inflamatórios – e reúne as informações inumeráveis ​​em um só lugar. Os participantes recebem um Coach Arivale, cada um dos quais é um Dietista Registrado, um Nutricionista Certificado ou uma Enfermeira Registrada. Os coaches fornecem conhecimento, suporte e responsabilidade – traduzindo os dados complexos em recomendações úteis para otimizar o bem-estar e ajudar a evitar doenças. A Arivale já transformou milhares de vidas.

Alguns estudos estimam que apenas 10 por cento do nosso estado de saúde ao longo da vida é atribuível ao nosso atual sistema de saúde focado na doença. Os 90% restantes são resultado de nossa genética (30%) e fatores comportamentais e ambientais (60%).

Está na hora de nossas abordagens de cuidados de saúde se concentrarem nos 90%. Estamos convencidos de que, aproveitando um ambiente rico em dados e combinando-o com o coaching personalizado, estamos preparados para impactar positivamente esses fatores capacitando as pessoas a agir e otimizar seu bem-estar – e transformar o sistema de saúde no processo.

Related of "Transforme os cuidados de saúde com o lado direito: concentre-se no bem-estar e não na doença"