Um novo panorama sobre o tratamento de vícios e compulsões

A raiz de qualquer vício ou compulsão é a privação.

A raiz de qualquer vício ou compulsão é privação – profunda, enterrada, privação crônica. O elo muitas vezes não é aparente a princípio, e a idéia de perder a necessidade de controle para ganhar controle pode parecer contraditória demais, especialmente quando estamos no meio de um vício doloroso. Se descascássemos, uma camada após a outra, até a raiz do que agora parece ser uma fera indisciplinada, freqüentemente encontramos uma pequena, frágil e tenra semente de necessidade carente.

Às vezes, o link é claro. Talvez, quando criança, estivéssemos cronicamente privados de calor e atenção, e à medida que nossos anseios de afeto crescem e se agigantam; nos tornamos viciados em amor, famintos por reconhecimento, excessivamente necessitados. Outras vezes, a rota do sintoma superficial para sua origem não é bem direta; é encoberto por desvios de negações, esquivas, tentativas e erros.

Unsplash

Fonte: Unsplash

“Flores silvestres; pegue sua linda cabecinha,

Vai ficar mais fácil, seus sonhos não estão mortos.

―Nikki Rowe

Frequentemente não percebida é a necessidade sensível e intensa dos multipotencialistas por um nível mais alto do que o normal de input intelectual, sensorial e emocional. Devido às suas excitabilidades inatas e à capacidade de absorver e processar uma vasta quantidade de informações, elas precisam de um fornecimento consistente de estímulos rigorosos, de “boa qualidade”, a partir de uma infinidade de fontes. Atividades físicas, conforto sensual, profundidade emocional, discurso intelectual, culturas, aventuras e variedades na vida – são os nutrientes essenciais para sua saúde e ótimo funcionamento.

Quando temos sido cronicamente privados de diversão, alegria e relaxamento, podemos recorrer a comida de conforto, sexo compulsivo, gastos excessivos, bebida excessiva, jogos de azar, até mesmo roubar – qualquer coisa que nos permita sentir a vertigem de seguir nossos corações em vez de os “deveres” estabelecidos. Nosso adulto crítico interno pode dizer que somos preguiçosos, imorais, fora de controle, carentes de consciência ou mesmo além de ajuda.

Mas enquanto nos aquietamos e descascamos uma camada, podemos ver um adolescente travesso, sufocado pelos limites sociais e culturais, desesperadamente ofegando por um selo de autonomia. Conforme cavamos fundo e descascamos outra camada: Descobrimos uma criança que estava sendo silenciada, privada de alegria e brincadeira, desesperadamente se debatendo por algum espaço para algumas expressões espontâneas. Continue descascando, e eventualmente encontraremos uma criança que só quer saber que ele é profundamente amado, que sua existência é justificada. Ela quer ouvir que ela poderia simplesmente “ser”, sem ter que “fazer” nada, satisfazer qualquer expectativa ou se tornar outra coisa senão o que ela é.

Unsplash

Fonte: Unsplash

“A coisa mais aterrorizante é aceitar-se completamente.”

―CG Jung

Agora temos uma mudança de paradigma completa para como “tratamos” nossos vícios e compulsões. Se percebermos que foi precisamente o auto-aprisionamento que causou o problema em primeiro lugar, percebemos que não precisamos de mais controle, rigidez e autodegrusão. Em vez de privação e redução, pense em abundância e expansão.

Para nosso pensamento comum, essa proposição é assustadora. – Quer dizer que damos mais doces àquela criança insaciável, para que ele não precisasse mais roubar e acumular? “Você diz que nós permitimos que aquela garota preguiçosa se divirta, então ela descobriria por si mesma a alegria de trabalhar?” ‘Como isso poderia funcionar? E se eles ficarem ainda mais fora de controle?

Bem, a situação poderia ser pior do que é agora? Se sim, bem, talvez ainda não tenhamos chegado ao momento de nossos vícios. Se não, o que temos feito não está funcionando, é hora de tentar um caminho diferente.

Unsplash

Fonte: Unsplash

“Ela se segurou até que os soluços da criança dentro diminuíram completamente. Eu te amo, ela disse a si mesma. Tudo vai ficar bem.

―H. Corvo Rosa

Talvez você se sinta culpado quando sentir prazer, mas veja se pode reverter seu pensamento e perceber o amor próprio como um serviço público. Ao permitir-se ter prazer e assumir seu lugar no mundo, você demonstra dignidade, respeito próprio e responsabilidade por seu próprio bem-estar.

No final da sua vida, tudo o que importa é se você viveu bem, amou bem, acumulou lembranças suficientes e criou significado. Se você fosse pai, modelo ou professor de alguém; ou, se você fosse dono de um animal de estimação, saberia que o melhor presente é dado apenas pela sua presença.

Mas você não pode “dar amor” do jeito que você faria com um dom físico. Você faz isso por estar totalmente presente e atento – e mais importante, ao incorporá-lo e demonstrá-lo. Você se torna o melhor presente para o mundo amando-se em todo o seu potencial. As pessoas não florescem por punição ou disciplina; Da mesma forma, você não pode criticar o seu caminho para o seu melhor eu.

Compaixão é relacional, seja entre você e outro, ou entre diferentes partes de você mesmo. Você merece todo o prazer que pode saborear, porque esse é o veículo para o amor próprio e, em última análise, é somente quando o seu poço está cheio que seus recursos podem fluir para fora para os outros e para o mundo mais amplo.

Unsplash

Fonte: Unsplash

“Eu sou tão bonita, às vezes as pessoas choram quando me veem. E isso não tem nada a ver com o que eu realmente sou, é apenas que eu me dei o poder de dizer que sou bonita, e se eu pudesse fazer isso, talvez houvesse esperança para eles também ”.

―Margaret Cho

Se você está sofrendo de vícios ou compulsões de qualquer tipo, pergunte a si mesmo se o que você pode precisar é mais relaxamento, conforto, diversão, alegria, excitação, contato humano ou expressão autêntica. Então, considere nutrir-se de volta à totalidade.

Tome alegria, siga excitações. Não deixe que o mito da produtividade e seu medo primitivo de “não ser suficiente” tirem o melhor de você. Tente tirar uma tarde para uma soneca. Tente ter uma abundância de alimentos nutritivos que você realmente gosta, não o que o nutricionista diz que é “bom para você”. Tente fazer uma massagem, ignorando todos os ruídos que dizem que você não tem tempo ou não pode pagar.

Deixe de lado o medo de perder o emprego, recebendo bebidas, indo a reuniões, fazendo pequenas conversas – vá em busca de solidão, se desejar. Ou abandone o isolamento e chame um amigo que você não vê há muito tempo. Tente, por uma vez, não fazer o que você “deveria” fazer, mas sim o que faz seu coração cantar.

Você sabe, para aquela criança dentro de você que sente a necessidade de se rebelar e gritar por vícios viciantes,
a única maneira de acalmá-la é permitindo-lhe, não ameaçando-o; é dando-lhe mais, não tirando dela.

Você só pode amar o seu caminho para o oásis.

Seja corajoso o suficiente para se nutrir completamente e o resto se seguirá.

Unsplash

Fonte: Unsplash

“Beije um amante,

Dance uma medida

Encontre seu nome

E tesouro enterrado.

Enfrente sua vida

É dor

É um prazer,

Não deixe nenhum caminho livre.

– Neil Gaiman, o livro do cemitério

Related of "Um novo panorama sobre o tratamento de vícios e compulsões"